Evo perde popularidade após escândalos de corrupção

A popularidade do presidente boliviano, EvoMorales, caiu entre o início e o fim de março, quando enfrentou escândalos de corrupção em seu partido e erros na tramitação de 44 contratos assinados com 12 petrolíferas, segundo duas enquetes divulgadas nesta terça-feira, 3. A primeira pesquisa, realizada pelo instituto Equipes Mori, entre 10 e 17 de março, dá a Evo 68% de aprovação - quatro pontos a mais que em fevereiro. Outra enquete elaborada pela mesma empresa de 18 a 28 do mesmo mês revela que sua popularidade caiu para 62%. As enquetes de março, cujos resultados foram fornecidos nesta terça-feira à Efe, revelam que a reprovação ao presidente caiu de 32% para 28% naprimeira, mas subiu para 36% na segunda, quando os escândalos estavam em seu apogeu. Como sinal da grande polarização política da Bolívia, os entrevistados que preferiram não se manifestar nem a favor nem contra Evo caíram de 4% em fevereiro para apenas 2% na segunda pesquisa de março. As cidades andinas de La Paz e El Alto, de populaçãomajoritariamente aimara, a etnia do presidente, continuam sendo as que mais apóiam Evo (83% e 90%, respectivamente), enquanto em Santa Cruz, a mais rica e povoada da Bolívia, 53% o desaprovam. Em março também caiu de 74% para 68%, em relação a fevereiro, a percepção de que no atual governo há menos corrupção que nos anteriores. Para cada pesquisa, com uma margem de erro de 3,1 ponto percentuais, o instituto Equipes Mori entrevistou mil pessoas com mais de 18 anos em La Paz, El Alto, Cochabamba, Santa Cruz e Tarija, as maiores cidades da Bolívia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.