Evo pressiona Corte Suprema

O presidente boliviano, Evo Morales, anunciou que processará os juízes da Corte Suprema de Justiça da Bolívia. A decisão foi tomada depois que os juízes enviaram a um tribunal do Departamento (Estado) opositor de Santa Cruz o julgamento de um grupo acusado de ter planejado um atentado terrorista contra o presidente boliviano em abril.Evo tem pressionado a Justiça para que o julgamento dos acusados seja realizado em La Paz, onde o governo espera exercer maior controle sobre os magistrados.Mas a instância máxima da Justiça boliviana afirma que o assunto é de competência local, pois o grupo foi descoberto e desmantelado em Santa Cruz. Três europeus foram mortos depois que a polícia boliviana investiu contra o hotel onde os supostos terroristas guardavam grande quantidade de armas pesadas e munição. Outros dois estrangeiros - um húngaro e um boliviano de origem croata - e pelo menos dez bolivianos envolvidos no caso foram detidos e levados a um presídio de La Paz. Evo acredita que os criminosos tenham envolvimento com um movimento separatista encabeçado por políticos opositores de Santa Cruz."Só suprimos a lei. O único que fizemos foi enviar o caso à instância responsável", disse a presidente da Corte, Beatriz Sandoval. "Parece que uma investigação transparente e responsável incomoda o governo."O vice-presidente boliviano, Álvaro García Linera, acusou os juízes da Corte Suprema de estar cometendo um "atropelo à legalidade".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.