Evo quer obrigar transmissão de seus discursos

O governo do presidente boliviano, Evo Morales, trabalha numa lei de telecomunicações que obrigará emissoras de rádio e TV a transmitir seus discursos. A medida vem na esteira de uma série de outras ações que, segundo a oposição e os meios de comunicação do país, têm o objetivo de restringir a liberdade de expressão na Bolívia.

AE, Agência Estado

29 de maio de 2011 | 07h30

O projeto de legislação, ao qual a agência de notícias EFE teve acesso, prevê punições - como "embargo de materiais, multas e inabilitação temporária para trabalhar" - para as emissoras que descumprirem a ordem.

A ação ainda será discutida, mas veio na mesma semana em que, após ser pressionado, Evo recuou e decidiu mudar a Lei de Regime Eleitoral, enviando a norma para ser debatida na Assembleia Nacional. Segundo o Artigo 82 da legislação - referente às eleições de outubro para os principais tribunais do país -, os candidatos aos cargos judiciais estavam proibidos de dar entrevistas para a mídia que, por seu lado, ficava impossibilitada de publicar artigos de opinião sobre a votação. Os veículos que desrespeitassem a lei estariam sujeitos a sanções penais e econômicas.

"Essa regra afeta o direito de informação do povo, negando aos cidadãos o conhecimento dos candidatos e de suas propostas", afirmou ao Estado, por telefone, o jornalista Carlos Morales, editor do jornal El Deber. "O governo pretende domesticar e controlar os meios de comunicação com essas medidas." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
BolíviaEvo Morales

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.