Evolução de Humala nas pesquisas indica que candidato pode surpreender

Embora as pesquisas eleitorais divulgadas no Peru na sexta-feira dêem uma vantagem de entre 7 e 11 pontos porcentuais ao candidato aprista e ex-presidente Alan García, o resultado do segundo turno das eleições presidenciais de domingo está longe de poder ser dado como certo. Ao longo dessa últimas semanas, uma série de levantados realizados pelos principais institutos de pesquisa do país apontaram uma evolução do candidato da coligação União Pelo Peru, o militar da reserva Ollanta Humala. Vencedor do primeiro turno das eleições, o nacionalista foi amplamente prejudicado na reta final das eleições pela guerra de acusações travadas com García e pelo apoio explícito do presidente Venezuelano, Hugo Chávez. Ainda assim, Humala ganhou terreno nos últimos dias e, segundo os analistas políticos, existe um "voto oculto" de cerca de 3,5% que favorece o candidato."Ao compararmos os números, vemos que a maior parte dos eleitores que não declaram sua intenção de voto podem ser, na realidade, eleitores inclinados a votar em Humala", disse o pesquisador, Alfredo Torres, do instituto Apoyo.Em uma pesquisa divulgada no dia 25, o Instituto de Opinião Pública da Pontifícia Universidad Católica do Peru já apontava uma queda de seis pontos percentuais na diferença nas intenções de votos de ambos; passando de 14 para oito pontos porcentuais.Segundo a enquete, García tinha 54% dos votos válidos, enquanto Humala ficava com 46%. Nas pesquisas anteriores, a vantagem do ex-presidente era de 58% e 56%, aproximadamente, contra variações de 44% a 42% de Humala. Instituto ApoyoJá no dia 28, uma pesquisa de um outro instituto, o Apoyo, também revelou que a diferença nas intenções de votos entre ambos é relativa.Elaborada entre os dias 21 e 23 de maio com 2 mil pessoas em 175 distritos de todo o país, o levantamento indicava que García tinha 44% das intenções de voto, enquanto Humala contava com 36%. Segundo o diretor do Apoyo, a decisão dos eleitores que votarão "em branco", 13% do total, "será decisiva no resultado final".Para o analista Juan Paredes, ainda "não foi dada a última palavra" sobre os resultados das eleições, já que ambos os candidatos contam com forte apoio.Últimas pesquisasE foi exatamente o que confirmaram as últimas pesquisas, divulgadas à imprensa nesta sexta-feira. De acordo com elas, a vantagem de García sobre Humala variava entre 7 e 11 pontos porcentuais.A margem de erro destas enquetes é de 2%, e além do voto oculto de 3,5%, que favorece Humala, 6,4% dos peruanos convocados às urnas ainda não decidiram seu voto.Para zelar pela transparência do processo, mais de 120 observadores internacionais da Organização dos Estados Americanos (OEA) e uma missão do Parlamento Europeu estão no Peru.Após uma reunião com o candidato Alan García, o chefe da missão da OEA, Lloyd Axworthy, deu respaldo ao processo eleitoral e garantiu que este organismo tentará evitar atos de violência.O Escritório Nacional de Processos Eleitorais (Onpe) anunciou que na segunda-feira já terá os resultados de pelo menos 95% dos votos emitidos nas urnas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.