Ex-agente diz que Austrália distorceu ameaça iraquiana

Um ex-analista do serviço secreto australiano denunciou que o governo do primeiro-ministro John Howard mentiu sobre a ameaça representada pelas armas de destruição em massa supostamente em poder do regime de Saddam Hussein, a fim de justificar o envio de tropas para a guerra liderada pelos Estados Unidos."Algumas vezes o exagero era excessivo. Era pura desonestidade", acusou Andrew Wilkie, durante depoimento a uma comissão de inquérito do Parlamento australiano. "O governo mentiu o tempo todo. Ele distorceu, deturpou, selecionou e fabricou as acusações contra o Iraque", atacou o ex-analista do serviço secreto da Austrália.Howard, um dos mais contumazes aliados dos Estados Unidos, negou as acusações feitas no primeiro dia da investigações dos parlamentares sobre os motivos pelos quais a Austrália enviou 2.000 soldados para lutar ao lado das forças americanas e britânicas.Ainda nesta sexta-feira, Jalal Talabani, membro do Conselho de Governo do Iraque, em viagem à Austrália em busca de investidores estrangeiros, afirmou a jornalistas que o regime de Saddam Hussein possuía armas de destruição em massa que serão encontradas em algum momento. "Temos muitos amigos entre os cientistas iraquianos que participaram na produção dessas armas", garantiu Talabani.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.