Ex-agente secreto da Austrália vai depor sobre o Iraque

Um ex-analista de informações dos serviços secretos australianos que acusa seu governo de ter exagerado a ameaça das armas de destruição em massa iraquianas para justificar a guerra é livre para comparecer perante uma comissão parlamentar britânica, mas não está qualificado para falar sobre o Iraque, acusou o primeiro-ministro da Austrália, John Howard.Andrew Wilkie renunciou em março a seu cargo na Agência Nacional de Análises e acusou o governo da Austrália de ter exagerado e manipulado evidências sobre os programas de armas supostamente mantidos pelo Iraque. Ele teria qualificado como "lixo" as informações fornecidas pelos serviços secretos dos Estados Unidos.Wilkie deixou Sydney com destino a Londres durante o fim de semana. Ele deporá na quinta-feira perante a Comissão de Relações Exteriores do Parlamento da Grã-Bretanha, que investiga a decisão do governo britânico de ir à guerra contra o Iraque.Durante uma sessão do Parlamento australiano, Howard disse que Wilkie é agora um cidadão comum e pode falar o que quiser. No entanto, o primeiro-ministro conservador citou o diretor da agência para a qual Wilkie trabalhava para dizer que seu trabalho antes de pedir demissão não envolvia o Iraque. "O senhor Wilkie era um analista que passava a maior parte do tempo lidando com questões referentes à imigração ilegal, num setor da Agência Nacional de Análises que não era responsável pelo Iraque", disse Howard. "Não compartilho de suas visões e essas também não são as visões da organização para a qual ele trabalhava", enfatizou o primeiro-ministro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.