Bloomberg photo by Chris J. Ratcliffe
Bloomberg photo by Chris J. Ratcliffe

Ex-aliado de Boris Johnson o responsabiliza por mortes na pandemia no Reino Unido

Em depoimento ao Parlamento britânico, Dominic Cummings afirma que Johnson cogitou se contaminar ao vivo para mostrar à população que a Covid-19 não seria letal

Redação, O Estado de S.Paulo

26 de maio de 2021 | 17h39

LONDRES - Dominic Cummings, ex assessor-chefe do primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, atacou a gestão do governo no combate à pandemia de covid-19.   Em sabatina do Comitê de Ciência e Saúde do Parlamento britânico, ele acusou o ex-aliado de tomar decisões desastrosas que teriam levado pessoas a morrerem em circunstâncias horríveis. Cummings foi ouvido por sete horas nesta quarta, 26.

Em depoimento, Cummings afirmou que o governo foi lento em sua resposta inicial à pandemia, acumulando erros que podem ter custado vidas. Entre eles, o primeiro-ministro teria dito que a Covid-19 seria apenas uma história para causar medo, comparou o vírus com o H1N1, causador da gripe suína e, para acalmar a população, considerou contrair o coronavírus ao vivo, em rede de televisão. “As pessoas não receberam o tratamento que mereciam”, afirmou o ex-aliado do governo.

Em fevereiro de 2020, quando os primeiros casos da doença foram registrados no Reino Unido, o premiê estaria de férias esquiando. Em março, impôs o primeiro lockdown nacional e, um mês depois, foi infectado por covid-19 e chegou a ser internado. Para Cummings, o enfrentamento da pandemia naquele período foi caótico e “parecido com um filme fora de controle”. 

Em dezembro do ano passado o Reino Unido iniciou uma campanha de vacinação em massa, que vem reduzindo a quantidade de novos casos registrados, mas ainda amarga o maior número absoluto de vítimas por covid na Europa - com 128 mil mortes.

Em resposta, Johnson afirmou que lidar com uma pandemia nesta escala foi terrivelmente difícil. "Tentamos, em todas as fases, minimizar a perda de vidas, salvar vidas, proteger (o serviço de saúde) e seguimos os melhores conselhos científicos que pudemos", disse. O governo reconhece que terá de responder a perguntas sérias em um futuro inquérito público.

Responsável pelo Brexit, campanha bem-sucedida que separou a Grã-Bretanha da União Europeia, Cummings ganhou terreno na gestão do premiê britânico e se tornou seu principal conselheiro. Mas após deixar o cargo em novembro passado em meio a um cabo de guerra de poder na gestão, assumiu uma postura crítica. Entre as acusações, afirma ainda que o governo acreditava que medidas de lockdown gerariam um posterior aumento de mortes e que a população deveria adquirir “imunidade de rebanho”. O governo nega que esta tenha sido uma política adotada.

Sem apresentar evidências, Cummings também criticou o secretário de Saúde do Reino Unido, Matt Hancock, acusando-o de mentir ao público e dizendo que ele deveria ter sido demitid". Hancock também será ouvido pelo Parlamento no mês que vem. 

Após o terceiro decreto de lockdown, o Reino Unido reduziu em 79% a média móvel de novos casos da doença e dois terços dos adultos já receberam a primeira dose da vacina. Com a imunização avançada, Johnson assume uma postura mais cautelosa, enquanto inicia um processo de reabertura. / AP e AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.