Ex-assessor de Cameron é indiciado por perjúrio

Andy Coulson, ex-diretor de comunicação do primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, foi detido nesta quarta-feira sob suspeita de falso testemunho no julgamento de um ex-parlamentar escocês, no mais recente caso ligado às denúncias de irregularidades dos tabloides britânicos. Coulson foi formalmente indiciado por perjúrio antes de ser solto em regime de liberdade condicional, informa a emissora pública britânica BBC em sua página na internet.

Agência Estado

30 Maio 2012 | 19h49

Coulson, de 44 anos, foi preso pela polícia da Escócia na residência dele em Londres sob a acusação relacionada ao depoimento que prestou em um caso de grande repercussão na Alta Corte de Glasgow, em 2010, quando o político Tommy Sheridan foi condenado por falso testemunho. De Londres, Coulson foi levado para Glasgow.

Sheridan havia vencido um processo contra o agora extinto tabloide News of the World, alegando que ele fora envolvido em um escândalo de sexo e drogas. Porém, mais tarde ele foi preso por três anos após um júri em 2010 determinar que Sheridan cometeu perjúrio quando processou o jornal.

Coulson era o editor do tabloide quando as histórias sobre Sheridan foram publicadas e trabalhou como diretor de comunicação de Cameron quando prestou depoimento no julgamento. Ele saiu do News of the World em 2007, após um repórter e um investigador privado serem presos em relação a crimes de grampos telefônicos.

No entanto, no mesmo ano, Coulson foi nomeado como diretor de comunicação de Cameron, que na época era o líder da oposição no Reino Unido. Ele deixou o cargo em janeiro do ano passado em meio a novas revelações sobre a extensão dos grampos telefônicos no tabloide. As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
Reino Unido grampos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.