Tom Brenner/The New York Times
Tom Brenner/The New York Times

Ex-assessor de Trump fecha acordo para evitar júri, diz CNN

Stephen Bannon já se negou a responder a perguntas de deputados sobre os vínculos da campanha eleitoral do presidente americano com a Rússia

O Estado de S.Paulo

17 Janeiro 2018 | 22h08

WASHINGTON - Stephen Bannon, ex-estrategista-chefe do presidente Donald Trump, fechou um acordo para ser ouvido pelos promotores que investigam a ingerência da Rússia nas eleições de 2016, em vez de testemunhar diante de um júri, disseram duas fontes ligadas ao processo à CNN, indicando que Bannon está cooperando com a investigação. 

O promotor especial Robert Mueller havia convocado Bannon a depor esta semana diante de um júri. Alguns especialistas em direito acreditam que a convocação poderia apenas ser um sinal de que a investigação estava sendo acelerada, enquanto outros acham que foi apenas uma estratégia para forçar Bannon a aceitar ser interrogado pelos investigadores.

+ Bannon se retrata por declarações sobre filho de Trump em livro

Na terça-feira, Bannon, de 64 anos, se negou a responder às numerosas perguntas dos deputados sobre os vínculos da campanha eleitoral de Trump com a Rússia. Bannon foi interrogado, durante mais de sete horas, por membros da Comissão de Inteligência da Câmara de Representantes. 

Descrito como a eminência parda de Trump até renunciar, em agosto, a seu cargo na Casa Branca, Bannon evitou responder às perguntas recorrendo à “prerrogativa presidencial”, que permite ao presidente e a altos funcionários do Executivo omitir certas informações ao Congresso ou à Justiça.

A negativa de Bannon em responder levantou ainda mais suspeitas sobre o envolvimento de Trump e seus principais assessores com agentes russos. De acordo com a Associated Press, fontes da Casa Branca disseram que a ordem para que ele se calasse no depoimento foi dada por telefone pelo gabinete do presidente. O papel de Bannon na campanha pode proporcionar detalhes cruciais à comissão que investiga se houve algum tipo de cooperação entre a campanha republicana e a Rússia. / NYT e AFP

Mais conteúdo sobre:
Stephen Bannon Donald Trump

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.