Ex-bispo, Lugo admite paternidade de menino

Relacionamento amoroso de presidente paraguaio começou quando jovem tinha 16 anos

Ariel Palacios, O Estadao de S.Paulo

14 de abril de 2009 | 00h00

O presidente do Paraguai, Fernando Armindo Lugo, ex-bispo católico, confessou ontem ao vivo pela TV que é pai de Guillermo Armindo, de quase 2 anos. O escândalo sobre a existência de um filho do presidente, nascido quando ainda era bispo, começou antes do feriado da Páscoa. Lugo, que no ano passado deixou temporariamente seus votos religiosos para assumir a presidência, ficou em silêncio durante o fim de semana. Mas, com o aumento do escândalo, decidiu admitir a verdade ontem."É certo que houve uma relação com Viviana Carrillo (a mãe da criança). Assumo todas as responsabilidades que podem derivar de tal fato e reconheço a paternidade do garoto", afirmou. Lugo, de 57 anos, também afirmou que, em defesa da privacidade da criança e de suas responsabilidades como presidente, não fará mais declarações sobre o caso.Analistas acreditam que a notícia vai somente arranhar a imagem de honestidade de Lugo. "Será um abalo pequeno, mais por sua condição de ex-bispo", disse ao Estado o analista político Alfredo Boccia Paz,de Assunção. "A sociedade paraguaia é bem relaxada sobre esses assuntos. É só recordar que o ex-ditador Alfredo Stroessner teve mais de 20 filhos ilegítimos." O analista considera que os paraguaios estão mais preocupados com problemas como a crise econômica, do que com a descendência de Lugo.O bispo Mario Melanio Medina parabenizou o presidente por reconhecer a criança. "Um ato de valentia e sinceridade. Mais vale tarde do que nunca", disse. Os ministros de Lugo defenderam o presidente. "Acho sensacional que ele reconheça ser o pai", afirmou a Ministra da Mulher, Gloria Rubin.SEDUÇÃO A mãe do filho de Lugo afirma que foi seduzida por ele quando ainda era bispo da cidade de San Pedro, no interior do Paraguai. Viviana disse que conheceu Lugo aos 16 anos, na época em que se preparava para a crisma, dez anos atrás.Segundo ela, o relacionamento amoroso começou na casa de sua madrinha. "Ele também passava as noites ali ocasionalmente. Tudo começou quando fui levar lençóis e fronhas para ele", afirmou em entrevista horas antes da declaração de Lugo. "Fui seduzida porque era novinha, por suas palavras bonitas, pelas promessas que fez de deixar o cargo. Dizia que queria ter muitos filhos comigo." A criança nasceu quando Viviana tinha 24 anos.Na época da campanha eleitoral, opositores diziam que Lugo era pai de 17 crianças.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.