REUTERS/Jim Bourg
REUTERS/Jim Bourg

Ex-candidato Mitt Romney ataca Trump em discurso e o chama de impostor

Romney afirmou que o empresário ‘não tem temperamento nem julgamento para ser presidente’ e que ele é ‘um falso, uma fraude’

O Estado de S. Paulo

03 de março de 2016 | 14h27

WASHINGTON - O ex-candidato à presidência dos EUA em 2012 Mitt Romney fez duros ataques contra o pré-candidato do Partido Republicano Donald Trump nesta quinta-feira, 3, chamando o magnata de impostor e pedindo para que os colegas republicanos não votem no empresário "pelo bem do país e do partido".

A corrida pela nomeação republicana, dominada por insultos e xingamentos, tem mostrado Trump na liderança das pesquisas e das primárias, transformando-o no nome mais provável para a indicação de seu partido para a votação de novembro.

“Se tomarmos as decisões certas, o futuro da América será ainda melhor do que o nosso passado e melhor do que o nosso presente”, destacou. “Por outro lado, se tomarmos decisões imprudentes, o horizonte brilhante que eu descrevi não se materializará.”

Romney, que foi derrotado pelo presidente Barack Obama em sua reeleição em 2012, juntou-se a ao crescente coro de líderes republicanos contra Trump. "Aqui está o que eu sei: Donald Trump é um falso, uma fraude", disse.

“Deixe-me dizer claramente, se os republicanos escolherem Donald Trump como nosso indicado, as perspectivas para um futuro seguro e próspero serão muito reduzidas”, afirmou Romney.

No discurso feito no Instituto Hinckley de Política da Universidade de Utah, ele afirmou que a indicação de Trump na convenção do partido em julho permitirá que a democrata Hillary Clinton ganhe a presidência.

O ex-candidato disse também que Trump "não tem temperamento nem julgamento para ser presidente". O empresário tem menosprezado Romney em uma série de tweets, incluindo "Eu não sou um Mitt Romney, que não sabe como ganhar".

Os líderes republicanos preocupados dizem que ainda têm opções para prevenir que Trump seja nomeado como candidato. O partido tem pouco tempo para tentar barrar a candidatura do magnata, que venceu 10 das 15 prévias estaduais realizadas até agora e poderá garantir a nomeação se vencer na maioria dos Estados que votarão no final de semana. Grandes doadores republicanos começaram a financiar anúncios com ataques ao bilionário. O establishment poderia tentar impor um nome alternativo durante a disputa, mas seria uma estratégia de alto risco. 

Apoio. O senador republicano americano John McCain, divulgou um comunicado sobre a corrida presidencial republicana afirmando que "divide as preocupações" de Romney sobre a candidatura de Trump. "Eu também tenho muitas preocupações sobre os discursos perigosos e desinformados de Trump sobre questões de segurança nacional".

"No momento em que nosso mundo nunca esteve tão complexo e tão perigoso, enquanto vemos ações ameaçadoras de uma nova Rússia, uma China assertiva, um Irã expansionista, novas medidas insanas da Coreia do Norte e movimentos terroristas se alastrando pelo Oriente Médio e pela África, eu desejo que os eleitores republicanos prestem atenção no que os nossos representantes mais respeitados e sábios, e especialistas em segurança nacional, estão dizendo sobre o senhor Trump e pensem com calma sobre quem querem que seja o nosso novo presidente e líder de um mundo livre", afirmou o senador no comunicado. /REUTERS e ASSOCIATED PRESS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.