Jonathan Ernst/Reuters
Jonathan Ernst/Reuters

Ex-candidato republicano é internado com covid-19 após participar de comício de Trump

Herman Cain, de 74 anos, e um dos ex-candidatos à presidência dos EUA em 2012, postou foto no Twitter cercado por colegas no comício em Tulsa, Oklahoma, todos sem máscaras

Redação, O Estado de S.Paulo

02 de julho de 2020 | 18h44

WASHINGTON - Um dos ex-candidatos republicanos à Casa Branca em 2012 Herman Cain informou nesta quinta-feira, 2, que foi diagnosticado com covid-19 e precisou ser internado em um hospital em Atlanta. O diagnóstico foi dado duas semanas após ele participar do comício de Donald Trump em Tulsa, Oklahoma, no qual muitos manifestantes se reuniram sem usar máscaras contra a propagação do coronavírus. 

"Comício de Trump em Tulsa - eu estava lá! A atmosfera era emocionante e inspiradora! ", escreveu Caim no Twitter após o comício, no dia 20 de junho. Ele também postou uma fotografia sua na manifestação cercado por colegas apoiadores de Trump, todos sem máscaras.

O porta-voz da campanha de Trump, Tim Murtaugh, disse que Cain não se encontrou com Trump em Tulsa. Segundo ele, o rastreamento de contatos foi realizado após o comício, mas ele não poderia discutir casos individuais.

Cain foi informado na segunda-feira que havia testado positivo para o coronavírus. Na quarta-feira, ele desenvolveu sintomas graves o suficiente para precisar ser internado. Aos 74 anos, ele faz parte do grupo de maior risco de covid-19 grave.

"Lamentamos anunciar que Herman Cain testou positivo para covid-19 e atualmente está recebendo tratamento em um hospital da região de Atlanta ", afirmou o comunicado.

"Não há como saber com certeza como ou onde o sr. Cain contraiu o coronavírus. Com a ajuda de Deus, estamos confiante de que ele terá uma recuperação rápida e completa."

Cain havia postado apoio à não obrigatoriedade de se usar máscaras no evento de 4 de julho que Trump planeja participar em Monte Rushmore, em Dakota do Sul.

"Máscaras não serão obrigatórias para o evento, que terá a presença do Presidente Trump. As pessoas estão no limite! ", postou no Twitter, na quarta-feira. 

Especialistas em saúde concordam, porém, que o uso de máscaras pode reduzir significativamente a propagação do vírus que já matou mais de 128 mil americanos./REUTERS  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.