REUTERS/Marcos Brindicci/
REUTERS/Marcos Brindicci/

Ex-chanceler argentino Héctor Timerman morre aos 65 anos

Timerman também foi embaixador nos EUA entre 2008 e 2010 e dedicou grande parte de sua carreira ao jornalismo

Redação, O Estado de S.Paulo

30 Dezembro 2018 | 16h21

BUENOS AIRES - O ex-chanceler da Argentina Héctor Timerman, que ocupou o cargo entre 2010 e 2015 durante o governo de Cristina Kirchner, morreu neste domingo, 30, aos 65 anos em consequência de um câncer no fígado, de acordo com mensagem divulgada no Twitter por seu irmão Javier Timerman.

"Irmão de alma. Obrigado por tudo o que fez por mim. Te admiro muitíssimo. Vou sentir sua falta mais do que imagina", escreveu Javier Timerman no Twitter.

Além de ministro de Relações Exteriores e Cultura durante cinco anos, Timerman foi embaixador da Argentina nos Estados Unidos entre 2008 e 2010, e grande parte de sua carreira profissional desempenhou como jornalista, profissão exercida também pelo seu pai, Jacobo Timerman, fundador do jornal argentino La Opinión.

Timerman prestou depoimento por videoconferência em julho pela causa que investiga o suposto encobrimento do atentado terrorista a uma associação judaica em 1994 em Buenos Aires, que deixou 85 mortos e segue sem responsáveis.

Em seu depoimento, o ex-chanceler se declarou inocente e denunciou que o julgamento desenvolvia-se com lentidão, algo que atribuiu aos interesses de países como os Estados Unidos e Israel.

Devido ao seu delicado estado de saúde, Timerman cumpria prisão preventiva domiciliar ao ser processado por essa caso, e mais tarde recebeu uma libertação extraordinária por "razões humanitárias", para viajar para os Estados Unidos e receber tratamento contra o câncer.

Em janeiro de 2015, dias antes de ser encontrado morto em circunstâncias que ainda são investigadas, o promotor Alberto Nisman denunciou a então presidente Cristina e funcionários como Timerman de realizar negociações com o Irã para favorecer o comércio com esse país. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.