Ex-chanceler indiano é envolvido em escândalo iraquiano

O ex-ministro de Relações Exteriores da Índia Natwar Singh e seu filho Jagat estão envolvidos no escândalo do programa Petróleo por Comida, criado pela ONU para ajudar o Iraque, segundo as conclusões de uma comissão indiana, divulgadas nesta sexta-feira pela imprensa local.A comissão foi criada pelo Governo indiano para investigar o papel de Natwar Singh na trama de corrupção. Seu nome apareceu na lista de possíveis beneficiados pela venda do petróleo iraquiano, segundo o relatório da Comissão Independente de Investigação liderada por Paul Volcker, ex-presidente do Federal Reserve dos EUA.Na quinta, a comissão indiana, dirigida pelo ex-juiz do Tribunal Supremo R.S. Pathak, afirmou que Natwar e seu filho abusaram de seu status no Governo para conseguir contratos para a venda do petróleo iraquiano, violando as sanções da ONU e ajudando o Governo de Saddam Hussein.No entanto, a comissão está convencida de que Natwar e Jagat não lucraram com as vendas e que o Partido do Congresso (CP) não estava ligado às irregularidades.Natwar Singh foi acusado de escrever três cartas a Saddam Hussein, solicitando cupons especiais para ele e seu filho, para a compra de petróleo a baixo custo.No dia 7 de novembro, Natwar foi afastado do ministério, enquanto a comissão investigava o caso.Em março, a ONU prorrogou até o fim do ano o prazo da comissão investigadora sobre o escândalo do programa. Os integrantes aguardama documentação pedida aos Governos que investigam o assunto internamente.O relatório de Volcker, divulgado em outubro de 2005, acusava funcionários da ONU de fraude no programa Petróleo por Comida, que movimentou US$ 67 bilhões desde que a sua criação, em dezembro de 1996, até ser encerrado, em novembro de 2003.Volcker e sua equipe também acusaram 2.300 empresas de várias nações de pagar subornos milionários ao Governo de Saddam Hussein para vender seus produtos no Iraque. Além disso, políticos e diplomatas europeus teriam recebido cupons de petróleo que revendiam em troca de favores ao regime de Bagdá.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.