Ex-chefe da inteligência de Ruanda é julgado em Paris

Começou nesta terça-feira em Paris o julgamento de Pascal Simbikangwa, acusado pela morte de ao menos meio milhão de pessoas em Ruanda em 1994. O ex-chefe da inteligência de Ruanda pode ser condenado à prisão perpétua. O julgamento está previsto para durar sete semanas e será o primeiro sobre o genocídio de Ruanda a ser realizado na França.

AE, Agência Estado

04 de fevereiro de 2014 | 17h56

O caso traz à tona às críticas da reação do governo francês ao genocídio e à lentidão da justiça após a morte de meio milhão de pessoas em Ruanda em apenas 10 dias.

A França tinha relações muito próximas com o governo do presidente Juvenal Habyarimana, da etnia Hutu, morto em uma queda de avião em 1994. A morte do presidente de Ruanda desencadeou uma violenta represália à etnia do tutsis e aos hutus moderados, que ficou conhecida como o genocídio mais rápido do século XX.

O julgamento deve ser o primeiro de 27 casos ligados ao genocídio em Ruanda e que estão sendo investigados pela unidade do tribunal de guerra em Paris. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
RuandaFrançajulgamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.