Ex-chefe da polícia secreta de Pinochet pega 20 anos de prisão

Manuel Contreras foi condenado por envolvimento na morte de duas pessoas em 1974.

Marcia Carmo, BBC

08 de julho de 2010 | 19h03

A Suprema Corte do Chile condenou nesta quinta-feira o ex-diretor da polícia secreta do país durante o regime do general Augusto Pinochet (1973-1990) a 20 anos de prisão pelo envolvimento em duas mortes em 1974.

O general da reserva Manuel Contreras, de 81 anos, recebeu 17 anos de prisão pelos assassinatos do general Carlos Prats e de sua mulher, Sofia Cuthbert, em um atentado a bomba. Além disso, Contreras também foi sentenciado a outros três anos de prisão por associação ilícita no caso.

Prats e Cuthbert estavam dentro de um carro que explodiu no mês de setembro de 1974 em Buenos Aires, capital da Argentina.

O general Prats foi comandante do Exército no governo do presidente socialista Salvador Allende, alvo do golpe militar liderado por Pinochet, em 1973.

Investigações anteriores indicaram que o caso fez parte da chamada Operação Condor, com a atuação conjunta de militares de países do Cone Sul no período dos regimes militares na região, na década de 70 e parte da década de 80.

'Satisfeita'

Além do general da reserva, foram condenados outras oito pessoas por envolvimento com as mortes.

Logo depois da sentença, o Exército divulgou uma declaração publica, se solidarizando com a família Prats e repudiando o "ato criminoso" que "manchou a instituição" militar.

Também nesta quinta-feira, a Justiça argentina condenou um dos ex-chefes do Exército durante o período militar no país.

O general da reserva Luciano Benjamin Menéndez foi condenado à prisão perpétua pelo desaparecimento de 22 pessoas na província argentina de Tucumán.

A condenação desta quinta-feira foi a segunda prisão perpétua que Menéndez recebeu por crimes contra a humanidade. A Justiça condenou ainda o ex-chefe da inteligência policial daquele período, Roberto Albornoz, também a pena máxima.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.