Bela Szandelszky/AP
Bela Szandelszky/AP

Ex-chefe de governo de Mubarak é nomeado primeiro-ministro do Egito, diz televisão estatal

Opositores pedem que os militares transfiram o poder a um conselho interino até as eleições

Efe,

25 de novembro de 2011 | 08h47

Atualizada às 09h40

 

CAIRO - Kamal al-Ganzuri, ex-chefe de governo de Hosni Mubarak, foi nomeado primeiro-ministro pelo exército egípcio, conforme a televisão estatal do país.

 

Milhares de egípcios participam nesta sexta-feira, 25, da manifestação da "Sexta-feira da última oportunidade" para exigir do Conselho Superior das Forças Armadas que deixe o poder e transfira imediatamente o comando a uma autoridade civil.

 

Veja também:

especialInfográfico:  

A revolução que abalou o mundo árabe

video TV Estadão: Manifestantes falam sobre eleições

mais imagens GALERIA: Enfretamentos no centro do Cairo

documento

 Artigo: Entre Teerã de 1979 e Berlim de 1989

blog Radar Global: Personagens, curiosidades e análises da crise

Os opositores pedem que os militares transfiram o poder a um conselho interino, organismo que governaria o país até a realização das eleições parlamentares, cuja primeira fase começa em três dias, e, se o novo Parlamento transmitir confiança, poderá permanecer até as eleições presidenciais em 30 de junho.

Como publicou o jornal independente "Al-Masry Al-Youm", os manifestantes da Tahrir rejeitaram o pedido de desculpa do Conselho Superior das Forças Armadas feito na quinta ao povo egípcio, que consideram uma "manobra política".

"O Conselheiro Superior das Forças Armadas apresenta seu pesar e suas desculpas pelos mártires, filhos fiéis do Egito, nos últimos eventos na Praça Tahrir", publicou a Junta Militar no comunicado divulgado na quinta em sua página no Facebook.

Ao menos dois partidos, os salafistas de Al Nour e o grupo da Gamaa Islamiya, anunciaram que vão participar da manifestação desta sexta, mas o principal movimento islamita, a Irmandade Muçulmana, não tomará parte. O braço político da Irmandade Muçulmana, o Partido Liberdade e Justiça, não vai participar para "não impor obstáculos ao processo eleitoral", afirmou em comunicado.

A confraria já alertou que teme confrontos em Tahrir entre a manifestação contra a Junta Militar e outra de apoio aos generais que deve concentrar-se no bairro central de Abassiya, que a partir desse local vai se dirigir à praça.

Alguns meios de comunicação egípcios agitaram o fantasma da chamada "Batalha dos Camelos", evocando o dia 2 de fevereiro, em que partidários do deposto presidente Hosni Mubarak entraram em Tahrir montados em camelos e cavalos para tentar acabar com o protesto.

Apesar dos temores, durante a noite foi mantida a trégua entre as forças de segurança e os manifestantes, depois da mediação das Forças Armadas e de clérigos muçulmanos.

Diante da previsão de possíveis confrontos, a Junta Militar pediu na quinta-feira ao povo egípcio em seu último comunicado "união e controle para evitar que o país entre em um estado de caos".

A manifestação desta sexta ocorre em um momento de incerteza política, a três dias do pleito legislativo, e sem que por enquanto um novo Governo tenha sido designado que substitua ao demissionário do primeiro-ministro Essam Sharaf.

No fim da noite de quinta, a imprensa egípcia e internacional informou que o marechal Hussein Tantawi, chefe da Junta Militar, teria encomendado ao primeiro-ministro Kamal Ganzouri a formação de um novo Governo.

Uma fonte da Junta Militar, no entanto, negou a Efe que Ganzouri tivesse recebido essa incumbência e limitou-se a afirmar que os dois tiveram apenas uma reunião.

"Se tivesse feito esse pedido, teríamos divulgado na imprensa estatal", explicou a fonte.

A ativista e porta-voz do Partido Social-Democrata Hala Mustafa disse a Efe que a população reunida em Tahrir rejeita essa eventual designação, e apontou para a possibilidade de isso ser uma estratégia dos militares para saber a reação do público diante desse nome, que foi premiê sob o regime de Mubarak, de 1996 a 1999. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.