Ex-chefe de inteligência é condenado à morte no Afeganistão

Familiares dos mortos festejaram com gritos de "Deus é grande" quando um tribunal de Cabul emitiu neste sábado uma sentença de morte contra um ex-chefe dos serviços secretos do Afeganistão durante o regime comunista.A comissão de direitos humanos do Afeganistão elogiou a decisão da justiça local contra Asadullah Sarwari como um passo na direção do "fim da impunidade". Trata-se do primeiro caso de julgamento por crimes contra a humanidade ocorrido no Afeganistão.Sarwari assumiu em 1978 o comando do temido serviço secreto afegão, quando o país fazia parte do bloco comunista liderado pela extinta União Soviética.O regime foi caracterizado pela implacável repressão a seus oponentes. Sarwari foi acusado de ordenar centenas de execuções.Ahmad Khalid, filho do réu, disse que Sarwari, de 64 anos, pretende recorrer da decisão. "Na época o governo funcionava como uma máquina e eu era apenas uma parte da engrenagem", alegou o ex-comandante dos serviços secretos.Detido em 1992, depois da queda do regime comunista, ele passou 13 anos na cadeia por causa persistente instabilidade afegã, marcada por sucessivas guerras, antes de ir a julgamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.