REUTERS/Carlos Julio Martinez
REUTERS/Carlos Julio Martinez

Ex-chefe de polícia diz ter ajudado a organizar ataque com drone na Venezuela

Em entrevista em Bogotá, Salvatore Lucchese afirma ter orquestrado ataque com um grupo de militantes anti-Maduro

O Estado de S.Paulo

07 Agosto 2018 | 21h20

BOGOTÁ/CARACAS - Um ex-chefe policial municipal na Venezuela e ativista antigoverno diz ter ajudado a organizar uma operação para lançar drones armados sobre um comício militar no sábado, que o presidente Nicolas Maduro chamou de uma tentativa de assassinato.

Em entrevista, Salvatore Lucchese, um ativista venezuelano que foi preso anteriormente por seu papel em protestos passados, disse à agência Reuters que orquestrou o ataque com uma associação de militantes anti-Maduro conhecidos na Venezuela como a “resistência”.

A “resistência” referida por Lucchese é um coletivo difuso de ativistas de rua, organizações estudantis e ex-oficiais militares. O grupo tem pouca estrutura formal, mas é conhecido no país principalmente por organizar protestos nos anos recentes nos quais manifestantes entraram em confronto com a polícia e soldados.

A agência Reuters não pôde verificar de forma independente as afirmações de Lucchese sobre o ataque, no qual drones voaram sobre o comício no centro de Caracas. Explosivos a bordo dos drones detonaram, ferindo sete militares e fazendo com que participantes do evento buscassem cobertura.

+ Entenda: o que se sabe sobre a suposta tentativa de assassinato contra Maduro

Lucchese descreveu o incidente como parte de um esforço contínuo e armado contra Maduro. Ele se negou a descrever seu papel preciso na operação, na resistência ou a identificar outros envolvidos, citando a necessidade de proteger suas identidades.

“Nós possuíamos um objetivo e no momento não fomos capazes de materializá-lo 100%", disse Lucchese em entrevista em Bogotá, onde está viajando por conta de atividades com outras figuras da oposição. “O esforço armado irá continuar.”

O Ministério da Informação da Venezuela não respondeu um pedido de comentário.

Mais cedo neste ano, Lucchese se separou do Vontade Popular, um proeminente partido da oposição, dizendo discordar de seus diálogos contínuos com o governo Maduro. O governo é amplamente criticado por suas táticas autoritárias, abusos de direitos humanos e políticas econômicas que levaram a uma recessão e casos de desnutrição por todo o país.

Juan Guaidó, um dos líderes nacionais do Vontade Popular, disse que Lucchese foi expulso por “diferenças com o partido e com a liderança nacional”, mas não deu mais detalhes.

Guaidó disse à Reuters que o Vontade Popular rejeita o uso de violência, uma posição ecoada por outros principais partidos da oposição após o ataque.

Maduro, que foi escolhido pelo presidente de esquerda Hugo Chávez, morto em 2013, como candidato do Partido Socialista para sucedê-lo, frequentemente diz que os problemas da Venezuela são resultado de uma “guerra econômica” feita por inimigos no exterior, incluindo os Estados Unidos. Ele culpou figuras da oposição da ala direita e facilitadores estrangeiros pelo ataque com drone, citando especificamente o governo da Colômbia. Bogotá negou qualquer envolvimento.

Autoridades venezuelanas prenderam seis pessoas durante o fim de semana, incluindo um suspeito que havia sido detido por protestos em 2014 e outro procurado por envolvimento em um ataque em 2017 contra uma base militar. O governo disse que os drones carregavam explosivos plásticos detonados remotamente. / REUTERS 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.