Ex-chefe de polícia nega conhecimento sobre grampos

O ex-chefe de polícia de Londres, Paul Stephenson, disse que prejudicou a força policial ao contratar um ex-editor do tabloide News of the World como consultor de relações públicas, mas negou saber que o jornal estava envolvido em grampos telefônicos.

AE, Agência Estado

19 de julho de 2011 | 10h32

Stephenson é interrogado hoje por um comitê parlamentar britânico que investiga crimes cometidos pelo tabloide de Rupert Murdoch, que foi fechado. Ele foi questionado sobre seu relacionamento com Neil Wallis, ex-editor-executivo do jornal que foi detido na semana passada.

Stephenson disse que "não tinha razões para ligar Wallis aos grampos telefônicos" quando o contratou para o cargo, em 2009. Ele afirma que agora, que a amplitude dos grampos veio à tona, o fato de Wallis ter trabalhado para a polícia é "embaraçoso". Stephenson anunciou sua demissão no domingo.

Separadamente, a polícia de Londres disse hoje que pediu à corregedoria que investigue o chefe de comunicação da Scotland Yard no caso dos grampos, o quinto graduado policial a ser investigado. A Comissão Independente de Queixas contra a Polícia Britânica (IPCC, pela sigla em inglês) vai examinar a participação de Dick Fedorcio na contratação de Wallis.

Murdoch

O magnata australiano Rupert Murdoch também será ouvido hoje no Parlamento britânico. O comitê vai ouvir ainda seu filho, James, e a ex-executiva-chefe da unidade britânica da News Corp., Rebekah Brooks. Murdoch chegou ao Parlamento com três horas de antecedência e seu carro foi cercado por fotógrafos.

Os parlamentares vão tentar obter mais detalhes sobre a escala de irregularidades no tabloide News of the World, enquanto Rupert e James Murdoch devem tentar não se incriminar ou provocar mais danos aos negócios sem enganar o Parlamento, já que isso é crime. Suspeita-se que quase 3,7 mil pessoas tenham tido seus telefones grampeados. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.