Ex-chefe do Exército diz que, se eleito, Irmandade Muçulmana não existirá no Egito

O ex-chefe do Exército egípcio Abdel Fattah al-Sisi disse nesta segunda-feira que a Irmandade Muçulmana - o grupo que ele tirou do poder no ano passado - não existirá se for eleito presidente.

Reuters

05 Maio 2014 | 18h28

Os comentários feitos em uma entrevista com duas emissoras de televisão do Egito são a indicação mais clara de que não há perspectiva de reconciliação política com o grupo islâmico que levou Mohamed Mursi à Presidência em 2012.

Mais conteúdo sobre:
EGITO SISI IRMANDADE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.