Ex-chefes da polícia secreta processados por crimes no Chile

Os chefes da polícia secreta chilena que serviram à ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990) foram processados hoje por oito seqüestros e seis homicídios, entre eles o de Lumi Videla, cujo cadáver foi encontrado dentro da embaixada da Itália em Santiago, em 1974.O processo foi ordenado pelo juiz Alejandro Solís, cuja investigação sobre a cúpula da DINA (polícia secreta chilena) estabeleceu que Videla morreu em 3 de novembro de 1974 após uma sessão de torturas a que foi submetida no quartel clandestino José Domingo Cañas, na capital chilena.O relatório da autópsia indica que a causa da morte foi asfixia, produzida pela obstrução da boca e do nariz. O cadáver de Videla foi encontrado em 4 de novembro no pátio do prédio da embaixada italiana e a imprensa atribuiu a morte a uma orgia entre os exilados nesta representação diplomática, apesar de a mulher não estar entre os refugiados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.