Ex-conselheiro dos EUA em Guantánamo admite tortura

Um ex-advogado do Departamento de Estado dos Estados Unidos admitiu hoje que a administração George W. Bush entrou em pânico depois dos atentados do 11 de setembro de 2001 e torturou prisioneiros. Bush negou qualquer episódio de tortura durante seu governo. Mas Vijay Padmanabhan, conselheiro-chefe do Departamento de Estado para casos envolvendo os detentos da Baía de Guantánamo, é pelo menos o segundo membro do governo já encerrado a publicamente descrever como tortura as chamadas "técnicas duras" usadas pelos EUA em interrogatórios.

AE-AP, Agencia Estado

27 de março de 2009 | 15h22

Segundo Padmanabhan, era "tolice" da administração Bush afirmar que os detentos estavam fora do âmbito das leis norte-americanas e internacionais e também das Convenções de Genebra. "Guantánamo foi um dos piores exageros da administração Bush", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.