Ex-contínuo diz ter recebido mensagens sugestivas de deputado republicano

Um ex-mensageiro do congresso afirmou nesta quinta-feira ter recebido mensagens sexualmente sugestivas do então deputado republicano dos EUA Mark Foley, em 1997.O relato de Tyson Vivyan aparece como a mais antiga troca de mensagens sugestivas entre Foley e adolescentes que serviram no "Capitol Page Program", programa que empregava adolescentes para trabalhar como mensageiros no Congresso americano. Relatos anteriores apontavam para contatos no ano de 2003. Vivyan, de 26 anos, disse à agência de notícias Associated Press que Foley começou a lhe enviar mensagens instantâneas um ou dois meses após seu estágio de nove meses ter terminado, em junho de 1997. O ex-mensageiro, que deu outras entrevistas nesta semana, afirmou não ter conhecido Foley pessoalmente durante seu estágio como mensageiro, exceto por breves cumprimentos enquanto trabalhava em um local ao lado da sala onde os membros do Congresso fazem suas pausas. Vivyan afirma ter começado a receber as mensagens por computador alguns meses depois de deixar o emprego. Os textos eram assinados por uma pessoa que utilizava o codinome "MAF54", apelido mais tarde atribuído a Foley por reportagens veiculadas na mídia americana. Ele disse que na época não sabia ao certo quem era o responsável pelas mensagens, mas a pessoa sabia seu nome e descrição física. Vivyan disse que a pessoa fazia perguntas pessoais, assim como sua orientação sexual.O ex-mensageiro teria então desconfiado de que a pessoa poderia ser do Congresso, e procurou as iniciais em um guia da Câmara. Ele disse que quando encontrou as iniciais de Foley - MAF, nascido em 54 - ele descobriu quem era. "Foi quase surreal. Eu não só estava conversando com um deputado de maneira informal, eu estava conversando de maneira sexual", afirmou Vyvian. Mesmo depois de descobrir a identidade do remetente das mensagens, Foley continuou a contatá-lo. Vyvian diz ter tentado levar a conversa para a área da política. Foley então parava de entrar em contato, e retornava uma semana depois com mensagens sugestivas.Vivyan disse também ter sido convidado à casa de Foley em Washington. O ex-mensageiro disse que não queria ir sozinho, então levou um colega mensageiro junto. Ele afirmou terem comido pizza e tomado refrigerantes, mas que nada sexual aconteceu. David Roth, advogado de Foley, se recusou a comentar as declarações.Foley, de 52 anos, renunciou na sexta-feira passada. Desde então o republicano se internou em uma clínica para a reabilitação de dependentes de álcool em local desconhecido. Através de seu advogado, ele assumiu ser homossexual, mas negou qualquer contato sexual com menores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.