Bas CZERWINSKI / ANP / AFP) / Netherlands OUT
Bas CZERWINSKI / ANP / AFP) / Netherlands OUT

Político de extrema direita da Holanda se converte ao islamismo

Joram van Klaveren anunciou a mudança de religião quando estava escrevendo um livro contra o Islã

Redação, O Estado de S.Paulo

05 Fevereiro 2019 | 10h17
Atualizado 05 Fevereiro 2019 | 20h12

HAIA - O holandês Joram van Klaveren, ex-deputado do Partido da Liberdade (PVV), de extrema direita, anunciou nesta terça-feira, 5, que se converteu ao islamismo. A decisão foi recebida com espanto na Holanda. Van Klaveren era conhecido pela retórica antimuçulmana e por dizer que o Islã era uma “doença”.

Van Klaveren, de 40 anos, era muito próximo de Geert Wilders, líder do PVV e voz mais radical do extremismo holandês. Nos últimos sete anos, ele esteve na linha de frente do anti-islamismo no Parlamento. Em 2014, ele deixou o PVV depois que Wilders prometeu expulsar marroquinos do país e fundou um outro partido extremista chamado Para a Holanda (VNL).

Wilders foi condenado por discriminação, dois anos depois, e Van Klaveren deixou a política após o VLN não eleger nenhum deputado nas eleições de 2017. Ao se retirar da política, ele anunciou que escreveria um livro contra o Islã. Mas, no meio do caminho, se converteu – mais precisamente no dia 26 de outubro, segundo entrevista ao jornal NRC Handelsblad. “Se tudo o que eu escrevi até agora está certo, então sou muçulmano”, disse.

Van Klaveren cresceu em uma família protestante e foi membro da União Cristã, um partido conservador. Ele conta que, à medida que buscava argumentos contra o Islã, se sentiu cada vez mais identificado com a religião. As páginas que havia escrito foram para o lixo e surgiu um novo livro: Apóstata: do Cristianismo ao Islã, em que ele refuta as críticas ao islamismo.

“Não virei esquerdista. Continuo conservador. A conversão foi puramente religiosa”, disse Van Klaveren, que afirmou que a mulher aceitou a mudança e garantiu que não pretende impor a religião aos seus dois filhos. “Eles têm liberdade para seguir a própria vida.” 

A notícia pegou de surpresa inimigos e velhos aliados de Van Klaveren. “Se isso não for uma propaganda para promover seu livro, então é uma escolha incrível para alguém que tinha tanto a dizer sobre o Islã”, afirmou Jan Roos, líder do VLN e amigo do ex-deputado convertido. 

Said Bouharrou, membro da Associação de Mesquitas da Holanda, custou a acreditar, mas elogiou a decisão. “É muito bom quando alguém que é crítico ao Islã percebe que ele não é tão perverso”, afirmou. 

No entanto, o mais surpreso com a notícia parecia ser o próprio Wilders. “Que história, hein? Eu não tenho palavras”, disse o líder do PVV. “É mais ou menos como se um vegetariano fosse trabalhar em um matadouro.” / AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.