Ex-diplomata vê ameaça na missão da Otan no Afeganistão

O ex-embaixador americano perante a ONU, Richard Holbrooke, considerou neste sábado, 28, que a "fragilização" do governo doAfeganistão ameaça o êxito da missão militar internacional no país. Perante o secretário-geral da Otan, Jaap de Hoop Scheffer, o ex-diplomata criticou "o esbanjamento de dinheiro da comunidade internacional" no conflito, especialmente dos EUA, que "gastam bilhões de dólares sem conseguir seu objetivo". "O Afeganistão é o teste fundamental para a Otan", disse Holbrooke. Segundo o secretário-geral, a Aliança exerce um papel "essencial" na zona, e está melhorando sua atuação com o tempo, embora as tropas "necessitem com urgência de mais equipamento e treino". De acordo com De Hoop, a Otan (que conta com mais de 35 mil tropas no Afeganistão) "pode e deve" criar um clima de segurança e estabilidade, mas "só com o esforço da comunidade internacional a partida pode ser ganha". O ex-embaixador Holbrooke mostrou sua preocupação em relação ao Executivo do Afeganistão, que segundo sua opinião está "tremendamente deteriorado". "A corrupção é o câncer que destruirá o governo de Hamid Karzai", previu. Também participou da discussão a deputada do Parlamento afegão Fawzai Koofi, que admitiu a fraqueza do governo de Karzai, mas afirmou que as raízes do problema são regionais. Ela lembrou que, no último ano, a segurança no país piorou, especialmente ao longo da fronteira com o Paquistão, "um elemento vital na hora de julgar o atual governo". "Sem segurança o país não pode avançar", disse a deputada, para quem "a luta no Afeganistão é contra o terrorismo internacional".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.