Ex-diretor do FMI flertou com outras 2 funcionárias do hotel, diz 'CNN'

Strauss-Khan pediu à recepcionista do hotel que tomasse uma taça de champanhe com ele

Efe

23 de maio de 2011 | 12h29

NOVA YORK - O ex-diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI) Dominique Strauss-Kahn flertou com outras duas funcionárias do hotel de luxo em que supostamente agrediu sexualmente uma mulher da Guiné de 32 anos, informou nesta segunda-feira, 23, a emissora de televisão "CNN".

 

Veja também:

blog CHACRA: Pior mostrar suspeito algemado ou divulgar nome de vítima?

som Estadão ESPN: Diretor do FMI declara que não é culpado

especial Políticos e seus escândalos sexuais

 

Strauss-Kahn, segundo o canal revelou nesta segunda-feira citando fontes da investigação policial, pediu à recepcionista que o acompanhou até seu quarto no dia 13 de maio que tomasse uma taça de champanhe com ele, mas ela recusou o convite.

 

Posteriormente, ainda segundo a "CNN", perguntou a outra recepcionista do luxuoso hotel se queria tomar um drink com ele em seu quarto no final do expediente, o que também foi negado.

 

Strauss-Kahn, que cumpre prisão domiciliar após ter pagado uma fiança de US$ 1 milhão, é acusado formalmente de sete crimes por abuso sexual e tentativa de estupro de uma empregada da limpeza do mesmo hotel, delitos com penas de 3 a 25 anos segundo sua gravidade.

 

Uma das funcionárias do hotel, segundo as fontes anônimas citadas pelo canal de televisão, descreveu às autoridades a atitude de DSK, como é conhecido, como "de um paquerador".

 

Strauss-Kahn foi preso em 14 de maio no aeroporto John F. Kennedy de Nova York quando estava a bordo de um avião com destino a Paris.

 

Entre as revelações que surgiram após sua detenção, a imprensa francesa assinalou que pouco antes que ocorresse, "cantou" em voz alta e grosseiramente uma das aeromoças do voo, além de ter supostamente protagonizado uma tentativa de agressão sexual a outra jornalista francesa que o entrevistava há anos atrás.

 

O político e economista socialista francês, de 62 anos, casado com a jornalista Anne Sinclair e pai de quatro filhas de casamentos anteriores, saiu na sexta-feira passada da prisão de Rikers Island em liberdade mediante fiança, após o pagamento de US$ 1 milhão.

 

Por outro lado, seu midiático advogado, Benjamin Brafman, em uma entrevista ao jornal israelense "Ha'aretz", assinalou que DSK vai se declarar "inocente, e no final será absolvido".

 

Já o "The New York Post" cita nesta segunda-feira declarações do ministro de Interior francês, Claude Guéant, nas quais se refere à possibilidade de que, caso DSK seja condenado no processo judicial realizado nos Estados Unidos, a França solicite que o cumprimento da pena seja realizado em uma de suas prisões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.