Ex-diretores da CIA pedem fim de ação sobre abusos

Sete ex-diretores da CIA pediram nesta sexta-feira ao presidente Barack Obama que revogue a investigação criminal sobre os métodos de interrogatório de suspeitos de terrorismo durante a administração de George W. Bush. O pedido foi feito em carta enviada hoje para a Casa Branca.

AE-AP, Agencia Estado

18 de setembro de 2009 | 18h34

O procurador-geral Eric Holder anunciou no mês passado que estava indicando um conselho independente para investigar possíveis incidentes de abusos cometidos por funcionários da CIA durante interrogatórios que foram além das diretrizes impostas pela administração Bush.

Os sete ex-diretores da CIA incluem Michael Hayden, Porter Goss e George Tenet, que exerceram o cargo sob a administração Bush; John Deutch e James Woolsey, que trabalharam para o presidente Bill Clinton; William Webster, que trabalhou no governo de George Bush pai; e James Schlesinger, que dirigiu a agência sob o governo de Richard Nixon. Tenet também trabalhou para a administração Clinton.

Eles pediram que Obama reverta a decisão, tomada em 24 de agosto por Holder, de reabrir a investigação sobre os interrogatórios após os ataques terroristas de 11 de setembro.

Na carta, os ex-diretores disseram que as investigações podem desencorajar os funcionários da CIA a realizarem o tipo de trabalho de inteligência agressiva necessário para conter o terrorismo e pode impedir governos estrangeiros de trabalharem com os Estados Unidos.

"Como resultado do entusiasmo da parte de alguns para descobrir cada ação tomada no período pós 11 de setembro, muitos países podem pensar que já não podem mais partilhar suas informações de inteligência ou cooperar conosco em futuras operações de contraterrorismo. Eles simplesmente não podem confiar em nossas promessas de discrição".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.