Ex-dirigente bósnia é sentenciada a 11 anos de prisão

Biljana Plavsic, uma ex-líder servo-bósnia que expressou arrependimento pelos horrores infligidos a outras etnias durante a guerra na Bósnia, foi sentenciada nesta quinta-feira a 11 anos de prisão. O juiz Richard May disse que Plavsic participou de crimes "da maior gravidade" durante a guerra na Bósnia (1992-1995) e que "seria errado dar-lhe uma misericórdia imerecida". Mas o Tribunal Penal Internacional para a ex-Iugoslávia (TPII), da ONU, deu-lhe mérito por declarar-se culpada e por ajudar na paz e na reconciliação, depois da guerra. Plavsic, de 72 anos, é a política de mais alto nível da ex-Iugoslávia a ser sentenciada até agora. O ex-presidente iugoslavo Slobodan Milosevic está sendo julgado pelo mesmo tribunal, mas estima-se que seu processo se estenderá por pelo menos mais um ano. A corte disse ter levado em conta a idade da processada e o testemunho em sua defesa apresentado pela ex-secretária de Estado americana Madeleine Albright e outros, segundo os quais Plavsic desempenhou um papel importante ao implementar o acordo de paz assinado em Dayton, Ohio (EUA), em 1995. Mas Plavsic, que era lugar-tenente do líder servo-bósnio Radovan Karadzic, fez vista grossa diante dos assassinatos, torturas e saques, disse o tribunal. "Os crimes foram da maior gravidade. Este é o ponto de partida para determinar a sentença", explicou May.Os especialistas calculam que mais de 200.000 pessoas tenham morrido na guerra bósnia, a maior matança presenciada pela Europa desde a 2ª Guerra Mundial, quando os sérvios lançaram uma campanha para erradicar muçulmanos e croatas das zonas dominadas pela Sérvia e criar uma Grande Sérvia. May recordou que os bósnios foram objeto de "maus tratos, violações, torturas e massacres" em uma campanha genocida apoiada e promovida por Plavsic, para quem a promotoria havia pedido uma pena de prisão de 15 a 25 anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.