Ex-ditador argentino é condenado a 25 anos de prisão

O último ditador militar da Argentina, Reynaldo Bignone, foi condenado hoje a 25 anos de prisão por crimes contra a humanidade, cometidos durante a sangrenta ditadura militar argentina entre 1976 e 1983. Bignone foi presidente de facto da Argentina entre 1982 e 1983. Foi a primeira vez que o ex-ditador, atualmente com 82 anos, foi condenado por crimes contra a humanidade.

AE-AP, Agência Estado

20 de abril de 2010 | 19h33

O Tribunal Federal número 1, da localidade de San Martín, em Buenos Aires, considerou Bignone culpado e coautor de 56 casos de sequestro, roubo agravado, privação ilegítima de liberdade e imposição de torturas cometidas no complexo militar Campo de Mayo, o maior da Argentina. Os crimes foram cometidos por Bignone entre 1976 e 1978, quando ele era o segundo responsável no Comando de Institutos Militares do Campo de Mayo.

Tudo o que sabemos sobre:
Argentinaditadorcondenaçãoprisão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.