Ex-ditador Coreia do Sul, Chun Doo-hwan morre aos 90 anos

Ex-ditador Coreia do Sul, Chun Doo-hwan morre aos 90 anos

O ex-presidente ficou conhecido por ter sido punho de ferro no país após golpe militar de 1979

Redação, O Estado de S.Paulo

23 de novembro de 2021 | 01h05

O ex-presidente da Coreia do Sul, Chun Doo-hwan, conhecido por ter sido punho de ferro no país após um golpe militar de 1979, morreu na terça-feira, 23, aos 90 anos, disse seu ex-assessor de imprensa. Lutando contra um mieloma múltiplo - um câncer no sangue que estava em remissão -, ele faleceu em sua casa em Seul, capital do País, no início da manhã e seu corpo será transferido para um hospital para um funeral no final do dia.

Ex-comandante militar, Chun presidiu o massacre de manifestantes pró-democracia do exército de Gwangju em 1980, crime pelo qual foi posteriormente condenado e recebeu pena de morte comutada - quando há substituição de pena ou sentença mais grave por uma mais branda.

Sua morte ocorreu cerca de um mês após a de outro ex-presidente golpista, Roh Tae-woo, que desempenhou um papel crucial, mas controverso, na difícil transição do país para a democracia, morreu aos 88 anos.

Durante seu julgamento em meados da década de 1990, ele defendeu o golpe como necessário para salvar o país de uma crise política e negou o envio de tropas para Gwangju. "Estou certo de que tomaria a mesma atitude, se surgisse a mesma situação", disse Chun ao tribunal.

Chun nasceu em 6 de março de 1931, em Yulgok-myeon, uma cidade agrícola pobre no condado sudeste de Hapcheon, durante o domínio japonês sobre a Coreia. 

Ele ingressou no exército logo depois do colégio, subindo na hierarquia até ser nomeado comandante em 1979. Assumindo o comando da investigação sobre o assassinato do presidente Park Chung-hee naquele ano, Chun cortejou aliados militares importantes e assumiu o controle das agências de inteligência da Coreia do Sul para encabeçar um golpe.

"Diante das organizações mais poderosas sob a presidência de Park Chung-hee, fiquei surpreso com a facilidade com que Chun ganhou o controle delas e como ele se aproveitou habilmente das circunstâncias. Em um instante, ele parecia ter se tornado um gigante," disse Park Jun-kwang, subordinado de Chun durante o golpe.

O governo de oito anos de Chun na Casa Azul presidencial foi caracterizado pela brutalidade e repressão política. No entanto, também foi marcado por uma prosperidade econômica crescente.

Chun renunciou ao cargo em meio a um movimento democrático liderado por estudantes em todo o país, em 1987, exigindo um sistema eleitoral direto.

Em 1995, ele foi acusado de motim, traição e foi preso após se recusar a comparecer ao Ministério Público e fugir para sua cidade natal.

No que a mídia local chamou de "julgamento do século", ele e o co-conspirador do golpe, seu sucessor Roh Tae-Woo, foram considerados culpados de motim, traição e suborno. Em seu veredicto, os juízes disseram que a ascensão de Chun ao poder veio "por meios ilegais que infligiram enormes danos ao povo"

Acredita-se que milhares de estudantes tenham sido mortos em Gwangju, de acordo com depoimentos de sobreviventes, ex-militares e investigadores.

Roh foi condenado a uma longa pena de prisão enquanto Chun foi condenado à morte. No entanto, sua pena foi comutada pelo Tribunal Superior de Seul em reconhecimento ao papel de Chun no desenvolvimento econômico acelerado da economia do tigre asiático e a transferência pacífica da presidência para Roh em 1988.

Ambos os homens foram perdoados e libertados da prisão em 1997 pelo presidente Kim Young-sam, no que ele chamou de um esforço para promover a "unidade nacional".

Chun fez vários retornos aos holofotes. Ele causou furor nacional em 2003 quando reivindicou ativos totais de 291.000 won (US$ 245) em dinheiro, dois cães e alguns eletrodomésticos - enquanto devia cerca de 220,5 bilhões de won em multas. Seus quatro filhos e outros parentes mais tarde foram apontados como proprietários de grandes extensões de terra em Seul e luxuosas propriedades nos Estados Unidos.

Em 2013, a família de Chun prometeu pagar a maior parte de sua dívida, mas suas multas não pagas ainda totalizavam cerca de 100 bilhões de won em dezembro de 2020.

Em 2020, Chun foi considerado culpado e recebeu uma sentença suspensa de oito meses por difamar um ativista pela democracia e padre católico em suas memórias de 2017. Os promotores apelaram e Chun iria enfrentar um julgamento na próxima semana./REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.