Ex-ditador etíope é condenado à prisão perpétua

O ex-ditador etíope Mengistu Haile Mariam foi condenado nesta quinta-feira à prisão perpétua. Ele é acusado de ter promovido atrocidades durante seu regime militar marxista (1977-1991), que ficou conhecido como "Terror Vermelho".Mengistu e outros onze réus foram considerados culpados de genocídio, homicídio, prisão e confisco ilegal de propriedade privada pelo Tribunal Federal Superior da Etiópia, em 12 de dezembro.O processo judicial durou doze anos, período no qual as audiências foram adiadas várias vezes. Mengistu foi julgado com outros 73 acusados, dos quais 14 morreram desde o início do julgamento e apenas 34 estavam presentes na sala. Todos receberam a mesma pena, exceto quatro, dois que foram sentenciados a 25 anos de prisão e outros dois, a 23 anos.Mengistu, de 69 anos, vive exilado no Zimbábue e era um dos chefes do levante militar que depôs, em setembro de 1974, o imperador Haile Selassie. Em fevereiro de 1977, ocupou pessoalmente a chefia do Estado, após eliminar seus ex-colegas e rivais no Conselho Administrativo Provisório Militar (Dergue).Durante a sangrenta perseguição iniciada por Mengistu no Exército e entre os membros da oposição política civil, calcula-se que cerca de 2 mil pessoas tenham sido assassinadas e outras 200 continuam desaparecidas. Entre 1977 e 1978, milhares de pessoas foram torturadas e os corpos de centenas apareceram jogados nas ruas de Adis-Abeba e de outras cidades etíopes.Mengistu e seus onze aliados também são acusados do assassinato de Selassie, que foi estrangulado e enterrado sob os piso de um dos banheiros do palácio real. Sessenta funcionários, ministros e membros da família real etíope foram fuzilados publicamente.Mengistu se manteve no poder graças ao apoio econômico e militar da União Soviética, mas em 1991, após a queda do regime marxista do Kremlin e diante do avanço de grupos rebeldes liderados pelo atual primeiro-ministro etíope, Meles Zenawi, fugiu para o Zimbábue, onde o governo de Robert Mugabe lhe concedeu asilo político.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.