Ex-ditador uruguaio Bordaberry é condenado a 30 anos

O ex-ditador uruguaio Juan María Bordaberry foi condenado nesta quarta-feira a 30 anos de prisão, por atentar contra a Constituição, segundo uma decisão em primeira instância da Justiça do Uruguai, afirmou a promotora responsável pelo caso.

AE-AP, Agencia Estado

10 de fevereiro de 2010 | 21h58

Bordaberry foi eleito presidente do Uruguai em 1971, mas em junho de 1973 desfechou um golpe de Estado com apoio das forças armadas. A junta militar destituiu Bordaberry em 1976 e passou a governar o Uruguai até 1985, quando o país foi redemocratizado.

A pena de 30 anos foi pedida pela promotora Ana María Tellechea em agosto de 2009 e é a mais severa na legislação penal do Uruguai.

Em entrevista à Associated Press, a promotora disse que "falei com a juíza atuante (Mariana Motta), que me confirmou que a decisão já foi tomada, assim que amanhã ela me notificará oficialmente sobre a sentença", afirmou.

Bordaberry, hoje com 81 anos, está em prisão preventiva desde 2006, que atualmente cumpre em casa por razões de saúde. Além de violação à Constituição, figuram nas acusações a Bordaberry onze homicídios e "desaparições forçadas" de presos políticos cometidas pela repressão a partir de 1973.

Tudo o que sabemos sobre:
UruguaiJulgamentoDitadura

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.