Ex-dona da Papel Prensa acusa jornais

ARGENTINA

, O Estado de S.Paulo

30 de agosto de 2010 | 00h00

Em entrevista ao jornal Tiempo Argentino, Lidia Papaleo disse que seu marido, David Gravier, foi assassinado em 1976 e ela foi torturada até aceitar vender a Papel Prensa, fábrica de papel hoje controlada pelos principais jornais argentinos. A afirmação contradiz suas declarações anteriores. Na semana passada, o governo levou à Justiça acusação de suposta ilegalidade na compra da empresa durante a ditadura pelos jornais Clarín e La Nación, para quem ela é estratégia do governo contra a mídia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.