EFE/ Martín Crespo
EFE/ Martín Crespo

Ex-embaixador paraguaio no Brasil diz que ex-chanceler conhecia ata de Itaipu

As declarações de Saguier contradizem o depoimento do ex-chanceler Luis Alberto Castiglioni

Redação, O Estado de S.Paulo

28 de agosto de 2019 | 03h04

ASSUNÇÃO - Ex-embaixador do Paraguai no Brasil, Hugo Saguier afirmou nesta terça-feira, 27, em depoimento à Comissão Bilateral de Investigação instaurada pelo Congresso do País para investigar o acordo sobre a compra de energia de Itaipu com o Brasil que o ex-chanceler Luis Alberto Castiglioni conhecia detalhes das negociações e o conteúdo da polêmica ata que provocou a maior crise do governo de Mario Abdo Benítez.

As declarações de Saguier contradizem o depoimento de Castiglioni, que no último dia 19 disse aos parlamentares paraguaios que não conhecia o conteúdo das negociações com o governo do Brasil porque não participou diretamente das reuniões sobre Itaipu.

"Sim (ele sabia). Se não sabia de algo, era só pegar o telefone e me pedir esclarecimentos. Na noite do dia 24 (de maio), ele recebeu a ata, me ligou e me parabenizou", disse o ex-embaixador aos integrantes da comissão parlamentar aberta para investigar o caso.

O acordo com o Brasil, cancelado a pedido de Abdo Benítez no início de agosto, provocou a renúncia tanto de Saguier como de Castiglioni. Outros funcionários do alto escalão do governo entregaram seus cargos para tentar minimizar a crise provocada pela revelação da ata, que a oposição considerou como lesiva aos interesses do país.

Abdo Benítez e o vice-presidente do Paraguai, Hugo Velázquez, foram acusados de traição. A oposição chegou a apresentar um pedido de impeachment contra os dois, mas o governo conseguiu votos suficientes para bloquear as ações na Câmara dos Deputados.

Saguier também afirmou que se reuniu com Abdo Benítez durante o processo de negociação "nas vezes que o chanceler considerou o oportuno", mas que nunca se encontrou com Velázquez.

O ex-embaixador também negou as acusações de traição à pátria e reiterou que o acordo era uma "grande conquista" porque reduzia a exigência do Brasil para que o Paraguai aumentasse a contratação de potência de Itaipu de 61% para 12%. "Não foi fácil, mas conseguimos", disse Saguier.

O ex-embaixador negou que engenheiros e técnicos da Administração Nacional de Eletricidade (Ande) tenham sido expulsos das negociações, como acusou o ex-diretor da estatal, Pedro Ferreira, cuja renúncia do cargo por se recusar a assinar o acordo revelou o documento ao público e deu início à crise. EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.