Ex-empregado do príncipe Charles foi violentado por colega

A família real enfrentou hoje mais uma situação de desconforto por causa de um ex-empregado. Um servente do príncipe Charles disse a um tablóide que foi violentado sexualmente por outro funcionário real. George Smith, um ex-empregado real de 42 anos de idade, afirmou em uma entrevista publicada hoje pelo The Mail que foi agredido sexualmente por um dos serventes de Charles em 1989.A assessoria do herdeiro do trono britânico informou que as acusações estão sendo investigadas pela família real e pela polícia, e que não há base até agora para a abertura de um processo. Smith, que à época estava com 29 anos, era casado e tinha dois filhos, contou que o homem o convidou para almoçar em sua casa e lhe serviu gim, cerveja e champanhe, e que o violou enquanto dormia no sofá. O suposto violador não foi identificado pelo jornal. Smith afirmou que o mesmo homem tentou violentá-lo novamente durante uma viagem ao Cairo, acompanhando o príncipe Charles.Uma gravação das acusações sobre a suposta agressão sexual estaria em poder poder do mordomo da princesa Diana, Paul Burrell, que foi absolvido da acusação de roubo de objetos privados da princesa. Os jurados foram informados que Diana tinha uma fita com a versão do empregado sobre o incidente, mas não foram revelados nomes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.