Ex-empregados da Coca-Cola são acusados de tentar vender segredos

Um júri acusou nesta terça-feira três ex-empregados da Coca-Cola de roubar segredos industriais da companhia que seriam vendidos para seu principal concorrente, a Pepsi.Numa audiência em Atlanta (Geórgia), os três acusados se declararam inocentes, informaram fontes judiciais. O juiz Joel Feldman manteve Ibrahim Dimson e Edmundo Duhaney detidos, sem direito a fiança. O terceiro acusado, Joya Williams, pagou uma fiança e vai aguardar o julgamento em liberdade.Segundo a acusação formal, os três conspiraram para roubar segredos da Coca-Cola. Se forem considerados culpados, podem ser condenados a 10 anos de prisão e a uma multa de US$ 250 mil.Na semana passada, os três foram denunciados por fraude e por roubo de segredos industriais. Entre eles, uma amostra de um novo produto que a Coca-Cola pretende lançar no mercado.Segundo os promotores, os acusados planejavam vender a informação confidencial por US$ 1,5 milhão.A investigação do caso começou quando diretores da Pepsi receberam uma carta assinada com o nome "Dirk", oferecendo segredos da Coca-Cola.Os executivos entraram imediatamente em contato com o Escritório Federal de Investigação, o FBI. Os agentes seguiram as pistas, fazendo-se passar por diretores da Pepsi interessados na informação.Segundo os promotores, os registros de ligações telefônicas e outros dados da investigação determinaram que os segredos a serem vendidos tinham sido obtidos por Williams.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.