Ex-espião morre em poder de militantes no Paquistão

Um ex-espião paquistanês que ajudou o Taleban a chegar ao poder no Afeganistão morreu no cativeiro, dez meses depois de ter sido sequestrado por militantes no noroeste do Paquistão. O sultão Amir Tarar, que foi aliado dos Estados Unidos contra a administração soviética no Afeganistão na década de 1980 e treinou em Fort Bragg, Carolina do Norte, sofreu um ataque cardíaco, disse Tariq Hayat, representante do governo paquistanês nas regiões tribais.

AE, Agência Estado

24 de janeiro de 2011 | 19h27

Tarar fora sequestrado juntamente com um jornalista britânico - libertado em setembro - e outro espião, Khalid Khawaja - executado pelos militantes em abril. Não se sabe a razão pela qual os homens viajavam para o noroeste paquistanês, mas eles podiam estar atuando como guias do jornalista.

A vida de Tarar exemplifica algumas das profundas complexidades das políticas paquistanesas e norte-americanas na região. Tarar, que era mais conhecido como coronel Imam e costumava ser visto usando um turbante branco e jaqueta camuflada, teve uma participação importante em concentrar o apoio paquistanês e no treinamento de combatentes afegãos no combate à União Soviética na década de 1980, ações amplamente financiadas pela CIA (agência de inteligência dos EUA). As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
mortePaquistãoex-espião

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.