EFE/NEIL HALL
EFE/NEIL HALL

Ex-espião russo teve contato com agente neurotóxico na porta de casa, diz polícia

Na residência de Serguei Skripal foi encontrada a maior concentração da substância Novichok; estado de saúde de Yulia, filha do ex-agente, se torna estável, segundo informações do hospital em que os dois estão internados

O Estado de S.Paulo

29 Março 2018 | 11h51

LONDRES - O ex-espião Serguei Skripal e sua filha, Yulia, estiveram expostos pela primeira vez ao agente neurotóxico que os envenenou na porta de sua residência, onde foi encontrada uma maior concentração do produto químico, segundo informações divulgadas nesta quinta-feira, 29, pela polícia.

+ Gilles Lapouge: A resposta da Europa

+ Luxemburgo convoca embaixador na Rússia para consultas sobre envenenamento de ex-espião

Skripal e sua filha estão hospitalizados desde que foram encontrados inconscientes em um parque em Salisbury, no sul da Inglaterra, em 4 de março. Dias depois, o governo britânico disse que era altamente provável que a Rússia fosse responsável pelo ataque e, em retaliação, decidiu expulsar 23 diplomatas russos.

+ Mundo entrará em 'situação de Guerra Fria' se represálias a Moscou continuarem, diz embaixador russo

+ Artigo: Expulsão de diplomatas é secundária para Putin diante de tragédia

A polícia informou que a investigação está concentrada na casa de Skripal, em Christie Millier Road, já que no local foi encontrada a maior concentração do agente Novichok, de fabricação russa, na maçaneta da porta.

Os investigadores isolaram os acessos e o banco do parque no qual as duas vítimas foram encontradas, assim como o pub e o restaurante que eles visitaram e o túmulo da mulher do ex-espião.

Cerca de 250 agentes da unidade antiterrorista da Scotland Yard trabalham na investigação e estão dedicados, segundo os veículos de imprensa, a analisar mais de 5 mil horas de imagens registradas pelas câmeras de segurança na cidade.

+ Relações diplomáticas entre EUA e Rússia: as expulsões de representantes ao longo dos anos

As autoridades russas insistem que Londres ainda não apresentou provas que Moscou tenha sido responsável pela ação e negou qualquer participação no ataque. Além do Reino Unido, outros países, como EUA e Austrália, também decidiram expulsar diplomatas russos.

Estado de saúde

O estado de saúde de Yulia vem “melhorando rapidamente”, de acordo com informações divulgadas nesta quinta-feira pelo hospital onde ela e o pai estão internados. “Já não está em estado crítico e sua situação agora é estável”, detalhou o hospital de Salisbury. Serguei Skripal permanece em situação crítica. / EFE e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.