Ex-freira do Sendero Luminoso sai da prisão após 15 anos

A ex-religiosa católica Nelly Evans, considerada uma das principais colaboradoras de Abimael Guzmán, líder e fundador do grupo terrorista Sendero Luminoso, foi posta em liberdade após passar quinze anos na prisão. Evans, que nos anos 1980 ensinava ao mesmo tempo em uma prestigiosa escola de Lima e nos colégios públicos do populoso distrito de Villa El Salvador, deixou o presídio de mulheres Santa Mónica sem dar declarações aos jornalistas. A ex-religiosa e professora foi presa um dia depois de ser condenada a quinze anos de prisão. A condenação foi o maior castigo aplicado pelo crime de terrorismo quando foi detida, em outubro de 1991. Segundo o relatório da Comissão da Verdade e a Reconciliação, Evans foi recrutada no início da década de 1980 pelo Sendero Luminoso quando trabalhava em Villa El Salvador. De acordo com a Comissão da Verdade, ela usou a fortuna familiar para financiar o grupo terrorista em Lima, mas isto nunca foi provado pela Justiça peruana. Um ano após sua captura, foram detidos Abimael Guzmán e sua companheira e número dois do Sendero, Elena Iparraguirre, junto com onze membros da cúpula da organização.

Agencia Estado,

11 Março 2006 | 04h15

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.