Ex-funcionário da CIA procurou asilo no Equador, afirma ministro

Edward Snowden é acusado de vazar informações sobre o programa de vigilância americano

O Estado de S. Paulo ,

23 de junho de 2013 | 14h33

O ex-técnico da Agência de Segurança Nacional (NSA), Edward J. Snowden, pediu asilo no Equador, segundo o ministro das Relações Exteriores do do país, Ricardo Patiño. Pelo Twitter, Patiño disse que o governo do Equador recebeu o pedido de asilo político de Snowden.

O embaixador do Equador na Rússia, Patricio Alberto Chavez Zavala, deve se encontrar com Snowden neste domingo, 23, no aeroporto Cheremetievo, em Moscou, junto com Sarah Harrison, representante do grupo WikiLeaks, que ajudou Snowden a viajar.

Pelo Twitter, o WikiLeaks informou que ajudou o ex-técnico da NSA, "facilitando documentos de viagem e uma saída segura de Hong Kong para um país democrático". Os Estados Unidos revogaram, neste domingo, o passaporte do americano.

Snowden foi de Hong Kong para a Rússia um dia depois dos Estados Unidos solicitarem formalmente sua extradição. Ele é acusado de vazar informações sobre o programa de vigilância americano. O governo de chinês informou que Snowden deixou o território de maneira voluntária. Equador e Islândia estão entre os destinos do técnico da CIA, segundo informações.

O governo chinês diz reconhecer o pedido de extradição dos Estados Unidos, mas afirmou que documentação enviada pelos americanos não cumpre "os requisitos legais sob da legislação de Hong Kong". A China tem um tratado de extradição com os Estados Unidos, mas o documento tem algumas exceções, incluindo os casos de crimes considerados políticos.

Rússia e os Estados Unidos não têm tratado de extradição. O Ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov disse que a o país estaria disposto a considerar dar asilo a Snowden, se solicitado.

Snowden tinha reservado um vôo para Cuba na segunda-feira, de acordo com relatórios iniciais. Após desembarcar em Cuba, o americano voaria para a Venezuela, segundo relatórios. A Casa Branca disse que o presidente Barack Obama foi informado sobre a movimentação de do ex-técnico da CIA.

O governo norte-americano acusa Snowden de roubo de propriedade do legal, comunicação não autorizada de informações de defesa nacional e de comunicação de dados confidenciais da inteligência. As duas últimas acusações estão relacionadas à Lei de Espionagem dos EUA.

Mais conteúdo sobre:
EUAvigilânciaSnowdenEquador

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.