Ex-fuzileiro naval pega prisão perpétua por morte de autor de 'Sniper Americano'

O ex-fuzileiro-naval Eddie Ray Routh foi condenado à prisão perpétua pelo assassinato de Chris Kyle, autor da autobiografia "American Sniper", e de outro homem depois de um júri do Texas ter rejeitado a tese da defesa de que o réu sofre de insanidade.

Estadão Conteúdo

25 de fevereiro de 2015 | 11h26

Após duas semanas de julgamento, durante as quais os jurados ouviram testemunhos sobre o comportamento instável de Routh, o que incluiu declarações sobre anarquia, apocalipse e híbridos entre porcos e humanos, o réu foi condenado na noite de terça-feira pelas mortes de Kyle e Chad Littlefield num campo de tiro do Texas, dois anos atrás.

Routh não manifestou qualquer reação quando o juiz divulgou sua sentença de prisão perpétua, sem liberdade condicional.

O veredicto encerrou um julgamento cheio de emoções, no qual os promotores apresentaram Routh, de 27 anos, como um problemático usuário de drogas que sabia distinguir o certo do errado, apesar de ter problemas psiquiátricos.

Advogados de defesa disseram que ele sofre de esquizofrenia e que teve um surto psicótico quando fez os disparos que mataram as vítimas. Embora as testemunhas e provas mostrassem as estranhas declarações de Routh e trouxessem referências à sua insanidade, ele confessou o crime várias vezes, pediu desculpas por eles e tentou fugir do local após os disparos.

"Você tirou a vida de dois heróis, homens que tentaram ser seus amigos", disse Chad Littlefield, meio irmão de Jerry Richardson, a Routh após o veredicto. "Você se tornou uma desgraça norte-americana."

O julgamento de Routh atraiu grande interesse, em parte por causa do filme baseado nas memórias de Kyle sobre os quatro períodos de combate no Iraque. No Brasil, o filme, dirigido por Clint Eastwood, recebeu o título de "Sniper Americano".

Os jurados tinham três opções de veredicto: considerar Routh culpado por homicídio, considerá-lo inocente ou inocentá-lo por razão de insanidade. Caso fosse considerado inocente por problemas mentais, o tribunal iniciaria os procedimentos para interná-lo num hospital psiquiátrico estatal.

Kyle e Littlefield levaram Routh para o campo de tiro, no Rough Creek Lodge and Resort, em 2 de fevereiro de 2013, depois de a mãe de Routh ter pedido ajuda de Kyle para seu filho problemático. Familiares dizem que Routh sofre de estresse pós-traumático por ter servido no Iraque e no Haiti, após o devastador terremoto de 2010.

A defesa de Routh afirmou que vai apelar da condenação.

Um psicólogo forense testemunhou que Routh não é legalmente insano e deu a entender que ele pode ter adotado algumas ideias de programa de televisão. Segundo o doutor Randall Price, Routh sofre de uma desordem paranoica que piorou com o uso de álcool e maconha. Ele chamou seu problema de "psicose induzida pela maconha". Fonte: Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.