Ex-general vence eleições na Guatemala

O ex-general Otto Pérez Molina, do Partido Patriota, venceu ontem o segundo turno das eleições presidenciais na Guatemala com a promessa de fortalecer o Exército e acabar com a violência e o narcotráfico. O militar, acusado de violações dos direitos humanos durante a guerra civil, obteve 53,9% dos votos.

CIDADE DA GUATEMALA, O Estado de S.Paulo

08 de novembro de 2011 | 03h05

O adversário de centro-direita, Manuel Baldizón, do Partido Libertad Democrática Renovada (Líder), ficou com 46,10% dos votos, segundo o Supremo Tribunal Eleitoral (TSE).

"Desde o primeiro dia, o povo perceberá que tem um presidente comprometido em defender a vida", disse Pérez Molina, de 60 anos, no discurso da vitória, na noite de domingo. "Um presidente que vai dedicar 60% ou 65% do seu tempo aos temas de segurança."

Sua vitória, no entanto, preocupa ativistas dos direitos humanos, que temem um retrocesso no julgamento de militares acusados de crimes contra a humanidade durante os conflitos civis em que a Guatemala mergulhou entre 1960 e 1996. Eles acusam Pérez Molina de participar de sangrentos massacres, ocorridos principalmente na Província de El Quiché, onde o ex-general comandou tropas no fim dos anos 80. Ele nega, preferindo destacar seu papel nas negociações que levaram à paz em 1996.

O presidente eleito anunciou planos de aumentar o efetivo do Exército em 2,5 mil soldados e reformar o grupo de elite Kaibiles, temido pelos rebeldes da esquerda durante a guerra civil. Ex-militares do grupo foram, mais tarde, recrutados pelo cartel mexicano Los Zetas.

Analistas calculam que o narcotráfico já responde por 40% da economia da Guatemala, que tem uma das mais altas taxas de homicídios do mundo (52 mortos a cada 100 mil habitantes). / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.