Ex-gerente do PP admite pagamentos sem declaração

O escândalo de corrupção dentro do Partido Popular (PP) da Espanha, ao qual pertence o primeiro-ministro Mariano Rajoy, ganhou um novo capítulo com a publicação de uma reportagem do jornal El País sobre o depoimento de um ex-integrante do partido.

DANIELLE CHAVES, Agência Estado

04 de setembro de 2013 | 08h33

Cristóbal Páez, gerente do PP entre 2009 e 2010, admitiu ao juiz que conduz o chamado caso Bárcenas, Pablo Ruz, que fez cobranças sem faturas em dois momentos enquanto trabalhou para o partido - uma vez por assessoria em assuntos trabalhistas e depois por gerência.

Segundo Páez, o dinheiro que cobrou sem declarar à Fazenda tinha origem em doações que o PP recebia também sem declarar. O ex-gerente do PP foi o braço direito de Luis Bárcenas entre 2004 e 2009, quando o ex-tesoureiro do partido deixou o cargo.

Em reação à reportagem do El País, o secretário-geral do PSOE, o partido socialista espanhol, Alfredo Pérez Rubalcaba, afirmou em entrevista à rádio SER que as informações dadas por Páez "demonstram que os documentos de Bárcenas são corretos e provam que Rajoy também fez cobranças por fora".

O escândalo de corrupção surgiu após revelações de Bárcenas, que relatou ao tribunal que ele próprio operou um esquema de pagamentos a altos membros do PP que moveu dezenas de milhões de euros durante anos. Entre os beneficiados estaria

Mais conteúdo sobre:
espanhaescândalo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.