Ex-governador de Illinois é condenado por corrupção

Um júri condenou hoje o ex-governador de Illinois Rod Blagojevich por 17 das 20 acusações de corrupção abertas contra ele, incluindo a de ter tentado vender ou trocar o assento no Senado que pertenceu ao presidente Barack Obama. Esse foi o segundo julgamento do ex-governador, que enfrentou 20 acusações. Ele foi condenado por todas as acusações relacionadas à cadeira no Senado.

AE, Agência Estado

27 de junho de 2011 | 18h21

Os jurados chegaram a um impasse sobre a acusação de tentativa de extorsão e a tentativa de incriminar o então congressista Rahm Emanuel, em um caso envolvendo recurso para uma escola de seu distrito. O júri considerou Blagojevich inocente das acusações sobre a suposta tentativa de extorsão contra um executivo. O juiz James Zagel determinou que Blagojevich não pode viajar para fora do distrito norte de Illinois sem permissão de um juiz. A audiência para a divulgação da sentença foi marcada para 1.º de agosto.

Os jurados apresentaram seus veredictos hoje após nove dias de deliberações. Blagojevich testemunhou durante sete dias, negando todas as acusações. Ele foi detido em dezembro de 2008, depois que o FBI gravou centenas ligações telefônicas feitas pelo então governador em casa e no trabalho. O legislativo de Illinois aprovou um impeachment contra ele um mês mais tarde.

A saga de Blagojevich agravou a reputação de Illinois no campo da corrupção. Sua condenação é a segunda consecutiva de um governador do Estado por corrupção. Seu antecessor, George Ryan, cumpre uma sentença de seis anos e meio de prisão. O caso também se tornou um espetáculo de mídia, já que o governador indiciado e sua mulher participaram de reality shows. O ex-governador também fez aparições teatrais diárias do lado de fora do tribunal durante seu primeiro julgamento para afirmar sua inocência e abraçar os fãs que ainda tinha.

Os jurados do primeiro julgamento só chegaram a um acordo sobre uma acusação, a de que ele mentiu para o FBI. Blagojevich, de 54 anos, chegou ao tribunal acompanhado por sua mulher, Patti, e passou pelas pessoas que se alinhavam na rua, do lado de fora do prédio. Promotores, advogados de defesa e dezenas de repórteres estavam na sala do tribunal hoje depois que o tribunal anunciou que havia recebido uma nota dos jurados sobre suas deliberações.

"O júri chegou a uma decisão a respeito de 18 das 20 acusações", afirmou o juiz Zagel, segurando o papel e lendo seu conteúdo em voz alta. Os jurados disseram também que estavam num impasse a respeito de duas acusações e "estavam certos" que não poderiam chegar a um acordo a respeito dessas acusações "mesmo com novas deliberações".

Os dois julgamentos analisaram se as divagações do governador com auxiliares e outras pessoas ao telefone foram apenas conversas, como ele afirmou, ou parte de uma "série de crimes políticos", nas palavras do promotor Patrick Fitzgerald. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.