AFP PHOTO/BERTRAND PARRES
AFP PHOTO/BERTRAND PARRES

Ex-guarda-costas de Chávez que lavou US$ 1 bi em propina vira ‘delator nº 1’

O homem que por anos foi a garantia de segurança de Hugo Chávez hoje é o grande trunfo de investigadores americanos para comprovar a corrupção no comando da Venezuela

Jamil Chade, CORRESPONDENTE / GENEBRA, O Estado de S.Paulo

22 de novembro de 2018 | 05h00

O homem que por anos foi a garantia de segurança de Hugo Chávez hoje é o grande trunfo de investigadores americanos para comprovar a corrupção no comando da Venezuelahoje governada por Nicolás Maduro. Detido nos EUA ainda no ano passado, o chavista Alejandro Andrade é considerado peça-chave num inquérito internacional em busca do dinheiro do governo de Caracas. 

Na terça-feira, a Justiça dos EUA revelou a existência de um esquema ilegal de câmbio que movimentou subornos de mais de US$ 1 bilhão na Venezuela. Para que o sistema funcionasse, a corrupção passou por Andrade, catapultado do posto de guarda-costas ao de chefe do Tesouro Nacional. 

A Justiça americana prendeu Andrade no final de 2017 e fechou com ele um acordo de delação premiada. Permitiu que ele permanecesse em prisão domiciliar, mas exigiu a colaboração total do chavista. 

Além de devolver um avião, cavalos, relógios de luxo e propriedades, o venezuelano deu informações que levaram os americanos a abrir inquéritos contra pelo menos 20 diretores e ex-dirigentes da PDVSA, a estatal do petróleo na Venezuela. 

A Justiça americana acredita que com as informações de Andrade poderá revelar quem eram os principais beneficiários do amplo esquema de corrupção. 

Segundo documentos consultados pelo Estado, o processo nos EUA revela dezenas de transferências de milhões de dólares entre o banco HSBC, na Suíça, bem como a aquisição de bens de luxo no mercado americano. Em março de 2013 foram transferidos da Suíça para os EUA cerca de US$ 281 mil para a compra de um barco. Naquele mesmo ano, foram gastos US$1 milhão para instalar um sistema de segurança na residência de Andrade.

Os investigadores suspeitam que o uso do banco na Suíça não é uma coincidência. A partir de 2005, o governo de Chávez fechou um acordo para que a instituição financeira em Genebra fosse a gestora do Tesouro do país. Em 2007, Andrade passou a ocupar o cargo de tesoureiro da nação e a ter autoridade sobre as contas secretamente mantidas na Suíça. Estima-se que essas contas possam ter acumulado US$ 14 bilhões. 

Sua gestão no Tesouro Nacional foi alvo de duras críticas. A oposição o acusava de negociar com empresários o acesso ao mercado de câmbio, em troca de propinas milionárias. Ainda em 2008, numa audiência parlamentar, Andrade foi denunciado por ter montado o esquema financeiro com a compra de papéis da dívida de países como Bolívia e Argentina. Ainda em 2009, agências reguladoras americanas passaram a investigar as transações financeiras do Tesouro venezuelano. 

Parte das suspeitas foram confirmadas nesta semana pela Justiça americana, que indiciou dois empresários por pagamentos nesse esquema, que movimentou US$ 1 bilhão. 

Sempre ao lado de Chávez, Andrade deixou o Tesouro em 2010 e passou a presidir o Bandes, o principal banco estatal venezuelano. Caracas lhe fornecia uma unidade da Guarda Nacional Bolivariana para que fizesse a proteção permanente de sua família e casa. 

Quando Chávez morreu, em 2013, inimigos internos de Andrade chegaram a alertar para a procuradora-geral, Luisa Ortega, que crimes cometidos por pessoas próximas ao líder custaram mais de US$ 20 bilhões para a economia nacional.

Com o fim do governo Chávez, Andrade se mudou para os EUA. Com um jato de luxo particular, fazia com frequência viagens para Caracas. O ex-braço direito de Chávez passou a frequentar locais exclusivos na Flórida e dedicou seu tempo aos cavalos e jogos de polo. No total, ele teria cerca de 150 animais, sendo que alguns poderiam estar avaliado em US$ 500 mil. 

A vida do guarda-costas nem sempre foi de luxo. Ele cresceu em um meio modesto, mas caiu nas graças de Chávez em 1992, ao participar do golpe militar que o venezuelano tentou aplicar. Durante a campanha eleitoral de 1998, foi seu segurança privado e, em 1999, elegeu-se deputado. 

Muitos creditam à perda de um olho seu momento de sorte. Ele perdeu a vista em um golpe de “chapita”, uma espécie de beisebol onde a bola é substituída por tampas de refrigerantes.

Num jogo descontraído dentro próprio palácio do governo, Chávez acertou uma das tampinhas no olho de Andrade, o que o obrigou a levar um cristal para substituir seu olho. Desde então, ficou ainda mais próximo do líder bolivariano, que se transformou em padrinho de seu filho mais novo. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.