BERTRAND PARRES/AFP/Getty Images / PAGOS
BERTRAND PARRES/AFP/Getty Images / PAGOS

Ex-guarda-costas de Chávez que lavou US$ 1 bilhão é condenado a 10 anos de prisão nos EUA

Alejandro Andrade recebeu propina na venda de dólares para empresas amigas do governo venezuelano entre 2007 e 2012

O Estado de S.Paulo

27 de novembro de 2018 | 18h00

 CARACAS - O ex-secretário do Tesouro da Venezuela, Alejandro Andrade, de 54 anos, foi condenado nesta terça-feira, pela Justiça dos Estados Unidos, a 10 anos de prisão por lavagem de dinheiro. Ele movimentou mais de US$ 1 bilhão em propina na venda de dólares para empresas amigas do governo entre 2007 e 2012 e ocultou a propina em compra de patrimônio nos Estados Unidos. 

Andrade deve se apresentar às autoridades americanas em 25 de fevereiro, data marcada para o início da sentença. O documento que confirma a condenação foi divulgado pelo Tribunal do Distrito Sul da Flórida.

Segundo pessoas presentes na audiência, Andrade leu uma declaração na qual pediu desculpas a seus amigos e familiares. O líder opositor venezuelano Carlos Vecchio, do partido Voluntad Popular, que hoje vive em autoexílio na Flórida, disse que Andrade prometeu também na audiência revelar como está ajudando o povo venezuelano. 

Advogados de Andrade dizem que ele está colaborando com autoridades americanas com informações sobre casos de corrupção na Venezuela. O Departamento de Justiça removeu o sigilo do caso na semana passada, quando veio a público como Andrade, um ex-guarda-costas do presidente Hugo Chávez, cresceu na burocracia chavista e enriqueceu às custas de corrupção. 

O Ministério de Comunicação da Venezuela não comentou o caso. /REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.