Ex-guarda é detido com falsa bomba no Vaticano

Um ex-guarda italiano foi detido hoje com uma falsa bomba nas imediações da Praça de São Pedro, no Vaticano, pouco antes de começar a audiência pública do papa João Paulo II. Quando foi preso pelos policiais, ele afirmou que o artefato estava prestes a explodir. Mas logo os agentes perceberam que o objeto apenas simulava um explosivo. O homem, cuja identidade não foi revelada, foi localizado pelos agentes da polícia italiana enquanto caminhava pela Via Paulo VI, ao lado da Praça de São Pedro. Não se sabe o motivo pelo qual estava com uma falsa bomba, mas segundo a polícia, o ex-guarda sofre de problemas psíquicos. O incidente não chegou a interferir na celebração da audiência papal. Durante o evento, João Paulo II falou a soldados italianos. "Queridos militares, trabalhem cada dia pela paz e fraternidade entre os povos", disse o papa ao destacamento militar que havia regressado de Kosovo, onde participou de operações pacíficas na região. No encerramento da cerimônia, João Paulo II recebeu um novo papamóvel, que deverá utilizar pela primeira vez no exterior no mês que vem, em Toronto. A viagem está programada para ele presidir a Jornada Mundial da Juventude. O veículo, um Mercedes- Benz, modelo ML430, de cor pérola, foi doado pela empresa teuto-americana Daimler-Chrysler. Desenhado para permitir que o pontífice esteja mais perto dos fiéis, o novo veículo soma-se aos outros seis de que dispõe o Vaticano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.