Ex-guarda nazista é acusado em 29 mil assassinatos

O ucraniano naturalizado norte-americano John Demanjuk foi acusado hoje de cumplicidade em 29 mil assassinatos cometidos quando era guarda em um campo de extermínio nazista de Sobibor. A informação foi divulgada por promotores alemães, que pedirão sua extradição para os Estados Unidos. Demjanjuk foi guarda nesse campo da Polônia ocupada pelos nazistas entre março e setembro de 1943. "Como tal, participou como cúmplice no assassinato de pelo menos 29 mil pessoas da fé judia", disseram os promotores em um comunicado. Demjanjuk, de 88 anos, vive atualmente em Ohio e nega participação nos crimes. Seu filho, chamado John, disse por e-mail de Cleveland que o pai sofre de problemas no sangue e de insuficiência renal que o impedem de viajar.Efraim Zuroff, caçador de nazistas do Centro Simon Wiesenthal de Israel, declarou estar "muito contente" com a medida tomada pelas autoridades alemãs. "Estamos a caminho de uma vitória", previu, de Jerusalém. Nascido na Ucrânia, Demjanjuk emigrou para os EUA em 1952 e obteve a cidadania em 1958. Ao negar ter cometido crimes de guerra, ele disse que foi soldado do Exército soviético e acabou capturado pelos alemães em 1942.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.