Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Ex-inspetor diz que informações sobre armas foram forjadas

Um ex-inspetor de armas da ONU no Iraque disse hoje acreditar que informações de inteligência sobre armas de destruição em massa foram forjadas, e expressou dúvidasde que Saddam Hussein tinha estoques de gás nervoso VX quando as forças lideradas pelos EUA derrubaram seu governo.As evidências "foram fabricadas" depois de até mesmo a CIA ter levantado dúvidas sobre se o Iraque tinha armas químicas, biológicas ou nucleares, considerou Bernd Birkicht numa entrevista a uma rádio alemã."Basicamente, toda informação de inteligência que recebemos e tentamos verificar acabaram se mostrando incorretas", informou ele à Inforadio, de Berlim.O fato de equipes lideradas pelos EUA no Iraque não teremainda encontrado supostas armas ilegais - a principaljustificativa para a guerra - tem levantado dúvidas sobre ainformação de inteligência e colocado pressão sobre os governos que apoiaram ou participaram da guerra, especialmente o do primeiro-ministro britânico, Tony Blair.Líderes americanos e britânicos se dizem confiantes de quearmas de destruição em massa serão encontradas, mas depois de visitarem mais de 230 locais suspeitos nas últimas 11 semanas, as equipes de busca ainda não apresentaram nenhuma clara evidência.O berlinense Birkicht, um cientista de computação de 39 anos, avaliou ser pouco provável que havia qualquer estoque de VX remanescente."Ninguém pode dizer com certeza se ainda existe o gás VX por lá em algum lugar, mas é muito pouco provável que ainda encontremos algum", frisou. "E vou além, se algum for encontrado agora, minha opinião seria que ele não estava lá antes".Birkicht fez parte da equipe de inspetores da ONU que retornou ao Iraque em novembro último e lá permaneceu até 18 de março, quando os inspetores partiram frente à iminência de um ataque americano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.